RESPOSTAS DE CULTIVARES DE ARROZ A FORMAS DE INOCULAÇÃO COM AZOSPIRILLUM BRASILENSE

Alexandrius de Moraes Barbosa, Lucas Almeida Pancieiro, Tiago Aranda Catuchi, Fábio Fernando Araújo, Carlos Sérgio Tiritan, Marcelo de Almeida Silva

Resumo

A inoculação com o Azospirillum é uma prática que pode trazer grandes benefícios à cultura do arroz e de outras gramíneas, com consideráveis aumentos na produtividade e redução no uso de adubos nitrogenados. Porém, para que esta prática seja mais confiável são necessários resultados mais consistentes e estáveis quanto ao uso dessas rizobactérias. Com base nisso, o objetivo deste trabalho foi avaliar formas de inoculação de bactérias do gênero Azospirillum no crescimento de três cultivares de arroz. O experimento foi conduzido em condições de casa-de-vegetação em Presidente Prudente-SP. O delineamento experimental adotado foi o inteiramente casualizado no esquema fatorial 3 x 3, sendo estudadas três cultivares de arroz (BRS Sertaneja; BRS Primavera, e Epagri 106) e três formas de aplicação de inoculante contendo bactérias do gênero Azospirillum (aplicação do inoculante nas sementes antes da semeadura; aplicação do inoculante diretamente no sulco após a semeadura, e semeadura das sementes sem aplicação do inoculante, como testemunha). Observou-se efeito de cultivares e formas de aplicação nos atributos altura de plantas e estimativa do teor de clorofila, enquanto a área foliar foi afetada pelas formas de aplicação, e o comprimento radicular pela interação. A cultivar Epagri 106 apresentou mais respostas positivas à inoculação com Azospirillum brasilense. O método de aplicação de Azospirillum brasilense via sulco de semeadura foi o mais indicado para inoculação em arroz.

Texto completo:

PDF