MOVIMENTOS SOCIAIS DO CAMPO, EDUCAÇÃO DO CAMPO E PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA: ALGUMAS PROBLEMATIZAÇÕES

Andre Luiz de Souza

Resumo

Este artigo tem por objetivo discutir o pensamento Marxista em torno da Educação e a concepção epistemológica do conceito Educação do Campo, relacionando a teoria marxista com os elementos centrais da pedagogia do Campo. Utiliza-se, para isso, o método histórico dialético para compreensão da realidade. Nesse sentido, a Educação do Campo tem elementos cruciais do método dialético, pois, utiliza-se do sujeito como protagonista de seu desenvolvimento histórico, rompendo com as barreiras construídas da educação mercadológica. A Educação do Campo vem como uma crítica ao desenvolvimento atual da sociedade burguesa, que nega os direitos fundamentais da sociedade em geral, mais especificamente aos povos do campo. O movimento de Educação do Campo está construindo novos valores humanos, rompendo com os valores da educação capitalista que traz em seu bojo o meritocratismo, a competividade. A nova educação deve trazer em seu interior os valores da solidariedade e da coletividade.  A Educação do Campo perpassa a educação formal, na qual o sujeito é apenas um receptor de informações e de conhecimento, mas vai além disso: ela constrói sujeitos capazes de edificar sua própria história.

Palavras-chave

Educação Campo; Marxismo; Movimentos Sociais do Campo.

Texto completo:

PDF