Afetividade e Pessoa na Fenomenologia de Dietrich Von Hildebrand

Tommy Akira Goto, Marília Zampieri da Silva

Resumo

O presente estudo tem o objetivo de apresentar a "fenomenologia da afetividade" elaborada
pelo filósofo Dietrich von Hildebrand (1889-1977), discípulo de Husserl e que produziu
análises filosóficas a partir da denominada "fenomenologia realista", ou seja,
uma filosofia fenomenológica da verdade, mas que mantém o contato existencial com a
realidade, a partir do conhecimento das essências genuínas e do conhecimento a priori. Para o
filósofo somente por meio do método fenomenológico é possível alcançar genuinamente o
conhecimento a priori das essências dos fenômenos e assim, chegar à verdade e
a profundidade do fenômeno. A investigação filosófica de Hildebrand se baseia diretamente
na experiência humana, assim, para conhecer a essência do ser humano é importante analisar
os fenômenos da vida consciente. Hildebrand afirma em sua análise fenomenológica que a
pessoa humana é um ser espiritual e que possui três estruturas intencionais: o entendimento,
a vontade e a afetividade. Essas três estruturas da pessoa humana são, em verdade, a
estrutura ontológica do ser humano e cada uma delas compõem “centros operativos” de
vivências. Assim, esse artigo visa apresentar a vida e o pensamento de Hildebrand,
explicitando a questão da pessoa humana e da afetividade, diante de tantas confusões
conceituais, uma vez que, segundo Hildebrand, a afetividade é a estrutura da pessoa humana que melhor expressa a vida interior humana. É por meio da afetividade que é possível dizer que vivemos algo. Sendo assim, o filósofo exige uma análise radical e rigorosa, entendendo fenomenologicamente a resposta afetiva possuidora de um caráter ativo e que expressa a tomada de decisão em relação aos acontecimentos no ser humano.

Texto completo:

PDF