O impacto das aulas de educação física no nível de atividade física, estado de humor e qualidade de vida de adolescentes escolares

Guilherme de Azambuja Pussieldi, Franciany de Jesus Silva, Deyliane Aparecida de Almeida Pereira

Resumo

O objetivo do estudo foi verificar o efeito de 20 semanas de Educação Física Escolar no nível de atividade física, estado de humor e na qualidade de vida em adolescentes. Participaram do estudo 40 estudantes, com idade média de 16,5±0,6 anos. Aplicou-se os questionários: IPAQ, POMS e o WHOQOL-Bref. Não foram encontradas diferenças no nível de atividade física, no entanto, houve diferenças para o estado de humor das meninas de forma negativa e para ambos os sexos na qualidade de vida, também negativa, ao final do semestre. Observou-se influências negativas nas variáveis da qualidade de vida em ambos os sexos. Conclui-se que as aulas de Educação Física não foram capazes de proporcionar melhoria nos níveis de atividade física e na manutenção do estado de humor nos estudantes do sexo feminino.

ABSTRACT. The impact of physical education classes in the level of physical activity, mood state and quality of life of adolescent students. It was investigate the effect of 20 weeks of physical education classes at physical activity level, mood state, and quality of life in adolescents. Was included 40 students of both genders, with a mean of 16.5±0.6 years. To obtain the data we used questionnaires: IPAQ, POMS and the WHOQOL-Bref. No differences were found in the level of physical activity, however, there were negative differences for the mood of the girls and for both genders in the quality of life at the end of the semester. Negative influences were observed in the variables of quality of life in both genders. It is concluded that the physical education classes were not able to provide improvement in the levels of physical activity and the maintenance of the mood state in the female students.

Palavras-chave

Atividade Física; Humor; Qualidade de Vida, Adolescentes

Texto completo:

PDF

Referências

ALMEIDA, A. M.; KEBBE, L. M.; FANGEL, L. M. V.; PANOBIANCO, M. S.; GOZZO, T. O. Qualidade de vida e desempenho de atividades cotidianas após tratamento das neoplasias mamárias. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 26, n. 1, p. 93-100, 2013.

ANDRADE, E. L.; FIGUEIRA, J. R. A.; MIRANDA, M. L. J. Ambiente escolar e atividade física: análise das variáveis e instrumentos utilizados em estudos na América do Norte e Europa. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Brasília, v. 22, n. 1, p. 157-67, 2014.

ARAÚJO, D. S. M. S.; ARAÚJO, C. G. S. Aptidão física, saúde e qualidade de vida relacionada à saúde em adultos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v. 6, n. 5, p. 194-203, 2000.

AWASTHI, S.; AGNIHOTRI, K.; CHANDRA, H.; SINGH, U.; THAKUR, S. Assessment of health-related quality of life in school-going adolescents: validation of PedsQL instrument and comparison with WHOQOL-BREF. National Medical Journal of India, New Delhi, v. 25, n. 2, p. 74-9, 2012.

BARROS, M. B. A.; LIMA, M. G.; AZEVEDO, R. C. S.; MEDINA, L. B. P.; LOPES, C. S.; MENEZES, P. R.; MALTA, D. C. Depression and health behaviors in brazilian adults – PNS 2013. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 51, n. 1, p. 1-9, 2017.

BETTI, M.; ZULIANI, L. R. Educação física escolar: uma proposta de diretrizes pedagógicas. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 73-81, 2002.

BRASIL. Altera a redação do Art. 26, § 3o, e do Art. 92 da Lei n°. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que “estabelece as diretrizes e bases da educação nacional”, e dá outras providências, 2003. Disponível em: . Acessado em: 15 de janeiro de 2016.

BRASIL. Lei de Diretrizes de Bases da Educação Nacional, 1996. Disponível em: . Acessado em: 15 de janeiro de 2016.

CASTELLANI FILHO, L. Educação física no Brasil: a história que não se conta. 15. ed. São Paulo: Papirus, 2008.

COELHO, E. F.; WERNECK, F. Z.; BARA FILHO, M. G.; RIBEIRO, L. C. S. Efeito agudo do tipo e da intensidade do exercício sobre os estados de humor. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, Pelotas, v. 15, n. 4, p. 211-7, 2010.

FLECK, M. P. A.; LEAL, O. F.; LOUZADA, S. Desenvolvimento da versão em português do instrumento de avaliação de qualidade de vida da Organização Mundial da Saúde (WHOQOL abreviado). Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 21, n. 1, p. 19-28, 1999.

GABRIEL, C. B.; SANTOS, L.; SALLES, P. G. Efeitos agudos da atividade física sobre o estado de humor de indivíduos da 3ª idade. Revista Saúde Física & Mental, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 11-21, 2013.

GARCÍA, A. J.; GARCÍA, M. A. Nuevas formas de envejecer activamente: calidad de vida y actividad física desde una perspectiva psicosocial. Escritos de Psicología, Málaga, v. 6, n. 2, p. 1-5, 2013.

GLANER, M. F. Questionários indicam um baixo efeito global do nível de atividade física e do controle do estresse sobre o perfil lipídico de homens. Revista Brasileira de Cineantropomometria e Desempenho Humano, Florianópolis, v. 15, n. 3, p. 628-637, 2013.

HOWLEY, E. T.; POWERS, S. K. Fisiologia do exercício: teoria e aplicação ao condicionamento e ao desempenho. 8. ed. São Paulo: Manole, 2014.

INTERDONATO, G. C.; GREGUOL, M. Qualidade de vida e prática habitual de atividade física em adolescentes com deficiência. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, São Paulo, v. 21, n. 2, p. 282-295, 2011.

IZUTSU, T.; TSUTSUMI, A.; ISLAM, A.; MATSUO, Y.; YAMADA, H. S.; KURITA, H.; WAKAI, S. Validity and reliability of the bangla version of WHOQOL-BREF on an adolescent population in Bangladesh. Quality of Life Research, New York, v. 14, n.7, p. 1783-9, 2005.

LOPES, A. S.; MOTA, J.; FARIAS JÚNIOR, J. C.; HALLAL, P. C. Prática de atividade física e fatores associados em adolescentes no nordeste do Brasil. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 46, n. 3, p. 505-15, 2012.

LORENZINI, A. R.; PAIVA, A. C.; AYOUB, E.; BRASILEIRO, L. T.; MELO, M. S. T.; SOUZA JUNIOR, M. B. A cultura corporal como área de conhecimento da educação física. Pensar a Prática, Goiânia, v. 19, n. 4, p. 1003-13, 2016.

MARINHO, A.; FOLLE, A.; ZUCHETTO, A. T.; CAMPBELL, C. S. G.; BATAGLION, G. A. Atividades lúdicas no atendimento multi e interdisciplinar para crianças com deficiência. Pensar a Prática, Goiânia, v. 20, n. 1, p. 125-39, 2017.

McNAIR, D. M.; LORR, M.; DROPPLEMAN, L. F. Manual for the profile of mood states. San Diego: Educational and Industrial Testing Service, 1971.

MORAES, F. O.; BALGA, R. S. M. A yoga no ambiente escolar como estratégia de mudança no comportamento dos alunos. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 6, n. 3, p. 59-65, 2007.

OLIVEIRA, J. C. Avaliação do desempenho de escolares do ensino médio em testes de aptidão física, e sua comparação com três formas de deslocamento ao Campus UFV-CAF. 2016. 65f. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso em Educação Física) – Universidade Federal de Viçosa, Florestal, 2016.

OWENS, C. S.; CRONE, D.; CROIX, M. B. A. D.; GIDLOW, C. J.; JAMES, D. V. B. Physical activity and screen time in adolescents transitioning out of compulsory education: a prospective longitudinal study. Journal of Public Health, Oxford, v. 36, n. 4, p. 599-607, 2014.

PARDINI, R.; MATSUDO, S.; ARAÚJO, T.; MATSUDO, V.; ANDRADE, E.; BRAGGION, G.; TODOS OS AUTORES. Validação do questionário internacional de nível de atividade física (IPAQ - versão 6): estudo piloto em adultos jovens brasileiros. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Brasília, v. 9, n. 3, p. 45-51, 2001.

PELUSO, M. A. M. Alterações de humor associadas a atividade física intensa. 2003. 221f. Tese (Doutorado em Medicina) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

ROHLFS, I. C. P. M. Validação do teste BRUMS para avaliação de humor em atletas e não atletas brasileiros. 2006. Dissertação (Mestrado em Ciências do Movimento Humano) - Universidade Estadual de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

RUGISKI, M.; PILATTI, L. A.; SCANDELARI, L. O Instrumento de avaliação da qualidade de vida da organização mundial da saúde, o WHOQOL-100, e sua Utilização. In: PILATTI, L. A.; KOVALESKI, J. L.; OLIVEIRA, L. S. (Org.). Temas em engenharia de produção I. Jundiaí: Fontoura. 2005. p. 21-30.

SABHARWAL, R.; RASMUSSEN, L.; SLUKA, K. A.; CHAPLEAU, M. W. Exercise prevents development of autonomic dysregulation and hyperalgesia in a mouse model of chronic muscle pain. Pain, Iowa City, v. 157, n. 2, p. 387-98 , 2017.

SAMULSKI, D. Psicologia do esporte: conceitos e novas perspectivas. 2. ed. São Paulo: Manole, 2009.

SILVEIRA, M. F.; ALMEIDA, J. C.; FREIRE, R. S.; FERREIRA, R. C.; MARTINS, A. E. D. B. L.; MARCOPITO, L. F. Qualidade de vida entre adolescentes: estudo seccional empregando o SF-12. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 7, p. 2007-15, 2013.

TERRY, P. C.; LANE, A. M.; LANE, H. J.; KEOHANE, L. Development and validation of mood measure for adolescents. Journal of Sports Science, London, v. 17, p. 861-872, 1999.

THOMPSON, J. L.; FOX. K. R.; EDWARDS, M. J.; JAGO, R.; SEBIRE, S. J. Testing a self-determination theory model of children’s physical activity motivation: a cross-sectional study. International Journal of Behavioral Nutrition and Physical Activity, London, v. 111, n. 10, p. 1-9, 2013.

WERNECK, F. Z.; BARA FILHO, M. G.; RIBEIRO, L. C. S. Efeitos do exercício físico sobre os estados de humor: uma revisão. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte e do Exercício, São Paulo, v. 0, p. 22-54, 2006.

WERNECK, F. Z.; BARA FILHO, M. G.; RIBEIRO, L. C. S. Mecanismos de melhoria do humor após o exercício: revisitando a hipótese das endorfinas. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Brasília, v. 13, n. 2, p. 135-44, 2005.

WERNECK, F. Z.; NAVARRO, C. A. Nível de atividade física e estado de humor em adolescentes. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 27, n. 2, p. 189-93, 2011

WHO. World Health Organization. Programme on Mental Health: WHOQOL Measuring Quality of life. Divison of Mental Health and Prevention of Substance abuse. WHO/MSA/MNH/PSF/97.4, p. 1-12, 1997. Disponível em: . Acessado em: 10 de janeiro de 2012

WUSHE, S. N.; MOSS, S. J.; MONYEKI, M. A. Objectively determined habitual physical activity in South African adolescents: the PAHL study. BMC Public Health, London, v. 14, n. 471, p. 2-8, 2014.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Incluir comentário
';