A AMBIGUIDADE DE FERNANDO DE AZEVEDO SOBRE A ATUAÇÃO DA COMPANHIA DE JESUS NA ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA NO PERÍODO COLONIAL

Aparecida Favoreto, Maria Inalva Galter

Resumo

O presente trabalho reflete sobre algumas idéias de Fernando de Azevedo presentes em "A Cultura Brasileira", obra publicada em 1943, na qual este pensador analisa a origem do sistema de ensino brasileiro. O objetivo é apontar que a análise de Azevedo sobre a educação no período colonial traz as marcas do posicionamento político, teórico e educacional que mobilizou o autor no período de 1920 a 1940 do século passado no Brasil. A questão principal de Azevedo é a defesa da criação do sistema público de ensino no Brasil que formasse o cidadão sob as bases da cultura técnica e cientifica. Pelo estudo realizado podemos afirmar que a análise de Azevedo sobre a educação colonial paira sobre algumas afirmações primordiais, que a primeira vista parecem ambíguas e contraditórias. Ao fazer referência sobre a educação colonial ele destaca a ação dos jesuítas como integradora e formadora de uma unidade nacional e paralelo a esta afirmação chama a atenção para o fato de que a educação jesuítica causou grandes prejuízos a cultura brasileira, visto que a mesma baseava-se na cultura livresca, literária e religiosa, sendo assim, contrária aos interesses nacionais e ainda ao se referir a expulsão dos padres afirma que houve um grande prejuízo a cultura e a educação brasileira.

Palavras-chave

História; Historiografia e educação pública.

Texto completo:

PDF