BIOCONVERSÃO DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS LIGNINOCELULÓSICOS POR FUNGOS CAUSADORES DA PODRIDÃO BRANCA: UMA ALTERNATIVA À PRODUÇÃO DE ALIMENTOS

Cláudia Braga Pereira Bento, Kérley Braga Pereira Bento Casaril

Resumo


O aumento da população mundial e, consequentemente, a crescente demanda por alimentos e bens de consumo, para suprir esse contingente populacional, gera uma quantidade enorme de resíduos agroindustriais ligninocelulósicos. O Brasil produz milhões de toneladas desses resíduos, por ano, durante o processo de beneficiamento ou processamento de alimentos. A composição química das plantas é consideravelmente diferente e influenciada por fatores genéticos e ambientais, mas celulose, hemicelulose e lignina são os principais constituintes dos materiais ligninocelulósicos. A hidrólise eficiente dos constituintes da parede celular das plantas requer micro-organismos capazes de produzir diferentes enzimas que agem sinergisticamente. Os fungos que causam a podridão branca e produzem corpos de frutificação, popularmente conhecidos como cogumelos, são altamente decompositores de substratos lignocelulósicos por produzirem enzimas hidrolíticas e oxidativas. Nos últimos anos, a produção e o consumo de cogumelos comestíveis aumentaram e ganharam destaque em razão do reconhecimento de que de estes são nutritivos e possuem propriedades benéficas à saúde.

Palavras-chave


Segurança alimentar, produção de alimentos, resíduos agroindustriais ligninocelulósicos, fungos da podridão branca, cogumelos.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais



Revista Faz Ciência


ISSN 1677-0439 (versão impressa) – ISSN 1983-148X (versão eletrônica)

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Campus de Francisco Beltrão

Rua Maringá, 1200 - Bairro Vila Nova

Francisco Beltrão – Paraná - CEP: 85605-010

revista.fazciencia@unioeste.br |