O PANTANAL MATO-GROSSENSE: ESPAÇO VIVIDO, PAISAGEM E MEMÓRIA EM MANOEL DE BARROS

Marcos Clair Bovo, Monica Luiza Socio Fernandes, Haline Nogueira da Silva Domingues, Bruno Flávio Lontra Fagundes

Resumo


Este estudo visa apresentar o Pantanal mato-grossense delineado na poesia de Manoel de Barros, no que tange ao espaçovivido, paisagem e memória. Isto é possível devido à integração
das perspectivas da Geografia Cultural e Humanística que, após as devidas reformulações em seu referencial teórico e metodológico, passam a conceber e compreender o homem e suas
ações num dado espaço, considerando, inclusive sua subjetividade neste local. A pesquisa é de natureza quali-interpretativa, de caráter bibliográfico e objetiva demonstrar a aproximação de áreas distintas do saber, porém complementares, por meio da abordagem interdisciplinar. Parcialmente, pode-se dizer que o resultado dessa investigação contribui para a compreensão de fenômenos e aspectos naturais, inerentes à Geografia atrelados ao contexto literário de textos poéticos, suscitando reflexões e desdobramentos, na construção de significados e apreensão de sentidos, emanados da arte literária.


Palavras-chave


Poesia, Geografia Cultural e Humanística, interdisciplinaridade.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.48075/ri.v19i2.21230

Direitos autorais 2018 Direitos partilhados conforme licença CC BY-NC-SA 4.0

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

REVISTA IDEAÇÃO

____________________________________________________________________________________________________________

e-ISSN: 1982-3010 — ISSN: 1518-6911

Unioeste

Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Campus de Foz do Iguaçu

Centro de Educação e Letras

Foz do Iguaçu - Paraná - Brasil

[ ideacao@yahoo.com.br ]