Atividade de inferência informal para avaliar π

Marcos Nascimento Magalhães

Resumo

Resumo: Inferência é a parte da Estatística que trata de previsões, para uma população, a partir das informações de uma amostra. O assunto é discutido de maneira formal em disciplinas de Estatística de cursos superiores, pois envolve conceitos matemáticos avançados. Entretanto, fazer previsões é algo presente na vida de todos e com os estudantes da Educação Básica não é diferente. É importante que os estudantes desse nível de ensino tenham oportunidade de fazer previsões, ainda que limitadas e informais, como uma experiência inicial do uso dessa parte fundamental da Estatística. Neste artigo, aproveitamos a mística envolvendo o número π para discutir, de modo informal, aspectos da Inferência Estatística. Descrevemos uma atividade, presente no portal AtivEstat- Atividades de Estatística, que usa conceitos simples de Geometria para avaliar o valor do número irracional π.

Palavras-chave: Inferência informal; Atividade; Valor de π.

Informal inference activity to estimate π

Abstract: Inference is the part of Statistics that deals with forecasts for a population from the information in a sample. The subject is discussed formally in higher education statistics disciplines as it involves advanced mathematical concepts. However, making predictions is something present in everyone's life and with students at theBasic Education it is not different. It is important that students, at this educational level, have the opportunity to make predictions, even if they are limited and informal, as an initial experience of using this key part of Statistics. In this article, we take advantage of the mystique involving the number π, to informally discuss aspects of Statistical Inference. We describe an activity, included in the Portal AtivEstat - Statistics Activities, that uses simple concepts of Geometry to evaluate the value of the irrational number π.

Keywords: Informal inference; Activity; π value.

Palavras-chave

Inferência informal, atividade, valor Pi

Texto completo:

PDF

Referências

BOYER, C. B. História da Matemática. Tradução de Elza Gomide. 2. ed. São Paulo: Blucher, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais Ensino Fundamental: ensino de primeira à quarta série. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais Ensino Fundamental: ensino de quinta à oitava série. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais +: Ciências da Natureza e suas Tecnologias. Brasília: MEC, 2002.

BRASIL. Ministério da Educação. Governo Federal. Base nacional comum curricular para a Educação Infantil e o Ensino Fundamental. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase. Acesso em: 28 out. 2018.

CATANEO, G. S.; MARTINS, M. A.; BURAK, D. O ensino de Estatística mediado pela Modelagem Matemática. VIDYA, Santa Maria, v. 36, n. 2, p. 349-362.2016.

CAMARGO, A. R. A estatística na escola básica - uma prática de inferência informal. 2016. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de Matemática) - Instituto de Matemática e Estatística, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

CORDANI, L. K. Estatística para todos- Atividades para a sala de aula. 1ª Edição. São Paulo: IME- USP, 2012.

GARFIELD, J. B.; BEN-ZVI, D. Developing students statistical reasoning: Connecting research and teaching practice. 1. ed. New York: Springer, 2008.

GUERRA, S. H. R.; BISOGNIN, V. Investigação Matemática na sala de aula: ensino de conceitos de Estatística para o 8º ano do Ensino Fundamental. VIDYA, Santa Maria, v. 36, n. 2, p. 275-292. 2016.

MAGALHÃES, M. N. Atividades para o ensino de Probabilidade e Estatística na Educação Básica. In: XII ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 2016, São Paulo. Anais... São Paulo: SBEM, 2016. p. 1-8. Disponível em: http://www.sbembrasil.org.br/enem2016/anais/pdf/5937_2749_ID.pdf. Acesso em: 22 maio. 2019.

MAKAR, K.; RUBIN, A. A framework for thinking about informal statistical inference. Statistics Education Research Journal, The Hague, v. 8, n. 1, p. 82-105, May. 2009.

RODRIGUES, V. A. Uma experiência de Inferência Estatística Informal na Escola Básica. 2016. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de Matemática) - Instituto de Matemática e Estatística, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

ZIEFFLER, A. et al. A framework to support research on informal inferential reasoning. Statistics Education Research Journal, The Hague, v. 7, n. 2, p. 40-58, November .2008.

WILD, C. J. et al. Towards more accessible conceptions of statistical inference. J. R. Statist. Soc. A, London, v. 174, n. 2, p. 247-295, apr. 2011.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.