MEMÓRIA LITERÁRIA E INTERCULTURALIDADE EM “ELECTRA EN LA NIEBLA” DE GABRIELAMistral

Claudiane Prass, Antonio Donizeti da Cruz

Resumo

RESUMO: Considerar o processo de absorção e transformação literária, atuando crítica e historicamente é o objetivo deste artigo, ao propor um trabalho comparatista, sob uma análise intertextual, para compreender a relação do poema de Gabriela Mistral, “Electra em La Niebla” com a referência canônica do mito de Electra, pautada sobre tudo pelo valor poético de cada obra indistintamente, lembrando que, os textos se encontram produzidos em culturas, tempos e espaços diferentes. No poema mistralino o som e o sentido estão perfeitamente construídos, pode-se dizer que cada palavra fora lapidada com muito afinco, assim como descreve Paul Valéry. No jogo intertextual, a poetisa, sem dúvida por meio da alusão, re-significando palavras consegue remeter-se ao mito sem a necessidade de citar a procedência do mesmo, e, de uma maneira ímpar transmite a ação e o sentimento de seu personagem, justamente pelo trabalho realizado com a matéria verbal, cuja semanticidade da palavra no verso é tão exclusiva e única que até mesmo sua tradução torna-se uma missão muito difícil. Nesse trabalho com a linguagem poética nota-se que apesar de toda a presença intertextual por meio das referidas alusões, o poema traz outro cenário, expressa emoções e sensações novas, e, mantém-se o contínuo movimento da arte literária em um ato de circularidade. 

Palavras-chave

Intertextualidade; Memória; Mito

Texto completo:

PDF