“VENHA VER O PÔR-DO-SOL”, DE LYGIA FAGUNDES TELLES: A MEMÓRIA TRAUMÁTICA DA MORTE

Marília Milhomem, Sandra Maria Nascimento

Resumo


O presente artigo tem por objetivo discorrer sobre a experiência da memória traumática de morte a partir da perspectiva narrativa do conto “Venha ver o pôr-do-sol “, de Lygia Fagundes Telles. Utilizando como fundamentação teórica YI-Fu Tuan (2013), Edward Relph (2012), Michael Pollack (1992) e Maurice Halbwachs (2006), buscar-se-á uma interpretação da obra no que tange ao relacionamento amoroso do casal Ricardo e Raquel e de como as noções de memória, identidade e espaço eclodem em momentos tensos da narrativa. Compreendendo assim, o potencial do conto de construir uma memória traumática da morte na personagem Raquel, a partir de sua Via-crúcis, que vai do seu encontro com o ex-namorado até o seu mausoléu.


Palavras-chave


Memória; Morte; Identidade; Espaço

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2017 Revista de Literatura, História e Memória

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista de Literatura, História e Memória - Qualis B2

ISSN: 1983-1498 — ISSN: 1809-5313


Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Programa de Pós-Graduação em Letras - PPGL

Rua Universitária, 2069 - Jardim Universitário
Cascavel – Paraná - CEP: 85819-110

| revistalhm@gmail.com |