METAFICÇÃO HISTORIOGRÁFICA E REGIONALISMO AMAZÔNICO: A DISPUTA PELO TERRITÓRIO ACREANO E OS RETRATOS DA EXTRAÇÃO SERINGUEIRA EM GALVEZ, IMPERADOR DO ACRE, DE MÁRCIO SOUZA

Luciano Santos Xavier, Mylena Cerqueira da Silva, Adriano Antonio Lima Menezes

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo discutir os processos da disputa pelo território acreano e os retratos da extração seringueira da Amazônia do fim do século XIX a meados do século XX trazidos por Márcio Souza em Galvez, Imperador do Acre. Para tanto, utilizamos as perspectivas teóricas da Metaficção Historiográfica, trazida por Linda Hutcheon (1991), posto a sua vertente que interpõe um diálogo entre a história e a ficção/literatura e do Regionalismo Nortista/Amazônico sob a perspectiva de Afrânio Coutinho (1986), de modo a reconhecer os traços regionais presentes e marcados no enredo da obra. Abordamos também os mecanismos do Realismo Maravilhoso utilizados por Márcio Souza para instituir as suas críticas imbuídas de humor e ironia às desigualdades vigentes na Amazônia da época, assim como ao governo brasileiro da Ditadura Militar, considerando o período de escrita do livro (1976).

Palavras-chave


Literatura; Realismo Maravilhoso; Metaficção Historiográfica; História do Acre; Regionalismo Amazônico.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2019 Revista de Literatura, História e Memória

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista de Literatura, História e Memória - Qualis B2

ISSN: 1983-1498 — ISSN: 1809-5313


Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Programa de Pós-Graduação em Letras - PPGL

Rua Universitária, 2069 - Jardim Universitário
Cascavel – Paraná - CEP: 85819-110

| revistalhm@gmail.com |