COBERTURA VACINAL DE CRIANÇAS ATÉ UM ANO DE IDADE, EVENTOS ADVERSOS E COMPOSIÇÃO DAS VACINAS NOS ANOS DE 2014 A 2018 NO BRASIL

Fernanda Tondello Jacobsen, Leonardo Garcia Velasquez

Resumo


Vacinas são imunobiológicos preparados a partir de microrganismos vivos ou mortos. Apesar de seguras, podem causar eventos adversos. Este estudo pretendeu analisar a cobertura vacinal de crianças menores de 1 ano de idade no Brasil no período de 2014 a 2018 e comparar com os Eventos Adversos Pós-vacinação (EAPV) e composição vacinal. Foi realizado um estudo utilizando o banco de dados do DATASUS, das vacinas obrigatórias para crianças de até 12 meses de idade, realizou-se, também, um levantamento de casos de EAPV nos Boletins Epidemiológicos e da composição vacinal nos Manuais e Guias do Ministério da Saúde. As análises mostraram que apenas duas vacinas (BCG e tríplice viral) tiveram média nacional da cobertura superior a 95%. A vacina tríplice viral apresentou mais eventos adversos, sendo a maior parte deles, leve, e tendo possível relação com a diminuição da cobertura. As maiores coberturas vacinais ocorreram no Centro-oeste e as menores nas regiões Norte e Sul, podendo ter relação com a desigualdade socioeconômica e outras variáveis. Tendo em vista a diminuição da cobertura vacinal e o retorno de doenças erradicadas, faz-se necessário se investir em campanhas de vacinação e conscientizar a população


Palavras-chave


Cobertura vacinal; Eventos Adversos Pós-vacinação; Composição das vacinas.

Texto completo:

PDF

Referências


Ministério da Saúde. Manual dos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais. 4ª ed. Brasília: 2014. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das doenças transmissíveis. [acesso 14 set. 2019] Disponível em: http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/-01VACINA/manual_crie_.pdf

Ministério da Saúde. Revista da Vacina. Brasília: s/d. Ministério da Saúde. Centro Cultural da Saúde. [acesso 12 set. 2019] Disponível em: http://www.ccms.saude.gov.br/revolta/pdf/M7.pdf

Ministério da Saúde. Manual de Normas e Procedimentos Para Vacinação. Brasília: 2014. Programa Nacional de Imunizações. [acesso 14 set. 2019] Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_procedimentos_vacinacao.pdf

Queiroz L, Monteiro S, Mochel E, Veras M, Sousa F, Bezerra, M, et al. Cobertura vacinal do esquema básico para o primeiro ano de vida nas capitais do Nordeste brasileiro. Cadernos de Saúde Pública. 2013;29:294.

Ministério da Saúde. Calendário Nacional de Vacinação. Brasília: s/d. Programa Nacional de Imunizações. [acesso 12 set. 2019.] Disponível em: http://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/vacinacao/calendario-vacinacao#

Ministério da Saúde. Programa Nacional de Imunizações: aspectos históricos dos calendários de vacinação e avanços dos indicadores de coberturas vacinais, no período de 1980 a 2013. Brasília: 2015. [acesso 14 set. 2019] Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2015/outubro/14/besvs-pni-v46-n30.pdf

Piacentini, S; Contrera-Moreno, L. Eventos adversos pós-vacinais no município de Campo Grande (MS, Brasil). Ciência & Saúde Coletiva. 2011;16:531.

Ministério da Saúde. Perfil epidemiológico dos casos notificados dos erros de imunização, Brasil 2016. Brasília: 2018. [acesso 14 set. 2019] Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/novembro/21/2018-028.pdf

Ministério da Saúde. Vigilância Epidemiológica do sarampo no Brasil, Semanas Epidemiológicas 23 a 34 de 2019. Brasília: 2019. [acesso 19 set. 2019] Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/agosto/28/BE-2019-24-Sarampo-28ago19-prelo.pdf

Da Silva Pires V. Timerosal contido em vacinas e transtornos do espectro autista: revisão de literatura. SANARE- Revista de Políticas Públicas. 2018;17:1.

Sociedade Brasileira de imunização. Guia prático de Vacinas 2016/2017. Brasília: 2017. Ministério da Saúde. [acesso em 14 set. 2019] Disponível em: http://www.epi.uff.br/

Sociedade Brasileira de imunização. Guia prático de Vacinas 2017/2018. Brasília: 2018. Ministério da Saúde. [acesso em 14 set. 2019] Disponível em: http://www.epi.uff.br/

Pacheco F, Domingues C, Maranhão A, Carvalho S, Teixeira A, Braz R, et al. Análise do Sistema de Informação da Vigilância de Eventos Adversos Pós-vacinação no Brasil, 2014 a 2016. Revista Panamericana de Salud Pública. 2018;42:12.

Maciel J, Cavalcante A, Campos J, Correia L, Rocha H, Rocha S, et al. Análise do estado de cobertura vacinal de crianças menores de três anos no município de Fortaleza em 2017. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. 2019;14:41-1824.

Ministério da Saúde. Febre Amarela: Ministério da Saúde atualiza casos no país. Brasília: 2019. [acesso 08 nov. 2019] Disponível em: http://www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/42940-febre-amarela-ministerio-da-saude-atualiza-casos-no-pais-6

Nunes D, de Menezes F, Igansi C, de Araújo W, Segatto T, Costa K, Wada M. Inquérito da cobertura vacinal de tríplice viral e tríplice bacteriana e fatores associados à não vacinação em Santa Maria, Distrito Federal, Brasil 2012. Revista Pan-Amazônica de Saúde. 2018;9:1-9.

Castro A, Veras A, Bernardo A, Ventura M, Caminha M, Silva M, et al. Fatores associados à cobertura vacinal em crianças-análise de uma comunidade. Artigo de PIBIC. Faculdade Pernambucana de Saúde; 2018.

Carneiro M. Avaliação da distribuição, metabolismo e nefrotoxicidade do timerosal-um conservante a base de mercúrio usado em vacinas-utilizando modelos in vivo e in vitro. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo; 2014.

Ferreira R, de Sousa J, Santos J, da Silva S, da Rosa A, da Costa J et al. Correlação entre cobertura vacinal e notificações por sarampo no Distrito Federal. REAS [Internet]. 1nov.2019 [citado 8nov.2019];11(17):e1654. Available from: https://www.acervomais.com.br/index.php/saude/article/view/1654


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Acta Elit Salutis

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.