Saberes docentes e a formação de professores em serviço

Viviane Dos Santos de Souza, Rosana Ferreira Alves

Resumo


Este estudo trata-se de um trabalho de conclusão de curso de especialização em Língua Portuguesa, intitulado “Formação docente em serviço: uma reflexão sobre o ensino de Língua Portuguesa”. Objetivou neste artigo refletir um pouco sobre a formação continuada dos professores em serviço e a relevância do Curso Gestar II, para os docentes que ensinam Língua Portuguesa no ensino fundamental II. Para tanto, são revisitadas algumas literaturas dos estudos da formação continuada do professor, a exemplo de Freire (1996), Luckesi (2002), Tardif (2004) e Demo (2002). Faz-se necessário um esforço coletivo para superar as barreiras que dificultam a construção do ensino de qualidade que atualmente se discute e deseja. Neste caso, as mobilizações que primam, dentre outros pontos, por uma formação docente envolvida com a transformação social devem, essencialmente, especificar os perfis e conhecimentos desejáveis deste profissional para uma interposição consciente no campo escolar, no processo de formação continuada do professor. Nota-se que com os estudos realizados a formação continuada que acontece nas escolas consiste em momentos de reflexão, oportunizando aos professores espaços para avaliarem sua prática, trocar experiências com a equipe e aprofundarem conhecimentos relativos ao processo de ensino. Porém, isso nem sempre tem ocorrido da maneira produtiva e estimuladora, fazendo com que este momento se transforme em alvo de críticas por parte dos profissionais envolvidos. Os questionamentos, em geral, são em virtude do significado da formação e da maneira como são organizados.


Palavras-chave


Formação continuada. Professor. Pesquisa.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Lynn Rosalina Gama. Novas Tecnologias: instrumento, ferramenta ou elementos estruturantes de um novo pensar?. Revista da FAEEBA, Salvador, vol.4, semestral, p.141-152, julho/dez.,1998. Disponível em www.lynn. pro.br. Acesso em 04/07/17.

ANTUNES, Celso. Onde está a indisciplina? Existem três focos de incêndio a apagar. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2002.

AQUINO, Julio Gropa. Indisciplina na escola: alternativas teóricas. 9. ed. São Paulo: Summus, 1996.

AQUINO, Julio Gropa. Indisciplina: o contraponto das escolas democráticas. 1. ed. São Paulo: Moderna, 1999.

BECKER, F. Educação e construção do conhecimento. 2.ed. Porto Alegre: Artmed, 2001.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 20 de dezembro de 1996.

DEMO, Pedro. Mitologias da avaliação: de como ignorar, em vez de enfrentar problemas. 3. ed. Campinas-SP: Autores associados, 2002.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GARCIA, Carlos Marcelo. Formação de Professores: Para uma mudança educativa. 2.ed. Porto: Porto Editora, 1999.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

IMBERNÓN, Francisco. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e incerteza. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Maneiras de avaliar a aprendizagem. Pátio. São Paulo, ano 3. nº 12. p. 7–11, fev./abril, 2002.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar. 4. ed. São Paulo : Cortez, 1996.

MINAYO, M. C. de S. O desafio do conhecimento. 10. ed. São Paulo: HUCITEC, 1993.

MORETTO, Vasco. Avaliação da aprendizagem: uma relação ética. In: VI CONGRESSO PEDAGÓGICO DA ANEB. Brasília, 1996. (Palestra).

PIMENTA, Selma Garrido; ANASTASIOU, Lea das Graças Camargo. Docência no ensino superior. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 4. ed. Petrópolis, Rio de Janeiro, Vozes, 2004.




Direitos autorais 2017 Temas & Matizes

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.