A superação da dualidade cultura/biologia na filosofia de Nietzsche

Wilson Antonio Frezzatti Junior

Resumo


Nietzsche considera-se o primeiro pensador a abordar o problema da cultura ou, como ele a entende, da elevação do homem. De qualquer modo, encontramos em sua filosofia duas perspectivas acerca desse problema: uma que podemos denominar de "fisiológica" ou "biológica" e outra, de "cultural". Na primeira, o homem é compreendido enquanto relações entre impulsos ou quanta de potência. Na segunda, o filósofo alemão considera que aspectos culturais e a educação são responsáveis pela elevação ou decadência do homem. Se considerarmos apenas uma dessas perspectivas, deveríamos postular a presença de um determinismo biológico ou cultural no pensamento nietzschiano. Entretanto, esse não é o caso, pois os estudos que Nietzsche faz da cultura e das configurações de impulsos ou da "fisiologia" não ocorrem isolados um do outro, pois fazem parte de uma mesma reflexão filosófica. Ao considerar que o corpo e a cultura sofrem os mesmos processos por serem resultado de uma hierarquia de impulsos em luta entre si por mais potência, o filósofo alemão dissolve os limites entre cultura e biologia.


Palavras-chave


civilização; cultura; Nietzsche; relação biologia-cultura

Texto completo:

PDF


Direitos autorais



Revista Tempo da Ciência



e-ISSN: 1981-4798 — ISSN: 1414-3089

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Campus de Toledo
Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais

Rua da Faculdade, 645 — Jardim La Salle
CEP: 85903-000 — Toledo-Paraná-Brasil

| revistatempodaciencia@yahoo.com.br |