INDÍGENAS OPERÁRIOS: NOVAS DINÂMICAS E SIMBOLOGIAS NOS PROCESSOS DE LUTA PELA TERRA NO SUL DO BRASIL

João Carlos TEDESCO, Henrique KUJAWA

Resumo


O texto analisa aspectos da experiência laboral de indígenas no mercado de trabalho externo, na forma assalariada, em particular, em frigoríficos no norte do Rio Grande do Sul e no meio-oeste de Santa Catarina.  São indígenas que estão demandando terras nessas regiões e que, como forma de pressão, organizam-se em acampamentos próximos da área agrícola em questão. A intenção do artigo é perceber as múltiplas dimensões dos recursos financeiros, obtidos com o trabalho externo, na luta pela terra e na sociabilidade do agrupamento. A pesquisa de campo foi feita diretamente em alguns frigoríficos e em alguns acampamentos das referidas regiões. Concluímos que o trabalho e os recursos externos produzem ambiguidades, tensões, adaptações, diferenciações e auxílios, na luta pela terra, na identidade indígena e na cotidianidade dos acampamentos. Revelam ser dimensões para além da lógica financeira, fruto de situações precárias de vida em múltiplos âmbitos e de estratégias de manutenção da luta social.


Palavras-chave


Indígenas; Trabalho assalariado; conflitos sociais.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2019 Tempos Históricos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista Tempos Históricos

 

e-ISSN 1517-4689 

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Campus de Marechal Cândido Rondon

Programa de Pós-Graduação em História

Rua Pernambuco, 1777- Caixa Postal 91

Marechal Cândido Rondon – Paraná- Brasil

CEP: 85960-000

| e-mail principal: revista.thistoricos@unioeste.br — e-mail secundário: thistoricos@yahoo.com.br |