LEITURA CRÍTICA E LETRAMENTO CRÍTICO EM LÍNGUA INGLESA RESPALDADA NAS NOVAS TECNOLOGIAS

Alex Alves EGIDO

Resumo

O constante e crescente uso de ferramentas digitais no ensino de línguas tem (re)significado a prática de professores (DOOLY; SADLER, 2016). Do mesmo modo, esse fenômeno tem influenciado campos de pesquisa na área da Linguística Aplicada como, por exemplo, processos de ensino e aprendizagem, que focam em affordances promovidas pelo uso de ferramentas digitais em aulas de língua inglesa (DOOLY; SADLER, 2016; RAMA et al, 2012; SILVA, 2015; TOUR, 2015). Este trabalho, de natureza teórico-prática, visa a aproximar conceitos de Leitura Crítica (SCOTT, 1988) e Letramento Crítico (LANKSHEAR; KNOBEL, 1997; SINGH; MORAN, 1997) do Letramento Digital (DOOLY; SADLER, 2016). Após advogar o uso de ferramentas digitais para a leitura e transformação da realidade social, apresenta-se uma proposta didática que materializa tais conceitos teóricos.  

 

Referências:

AGUDELO, O. L.; SALINAS, J. Flexible Learning Itineraries Based on Conceptual Maps. New Approaches in Educational Research, Colombia, v.4, n.2, p.70-76, 2015.

CORADIM, J. N. Ensino de língua inglesa e letramento crítico: uma proposta didática de leitura e produção escrita. In: EL KADRI, M. S.; PASSONI, T. P.; GAMERO, R. (Org.). Tendências contemporâneas para o ensino de língua inglesa: propostas didáticas para a educação básica. Campinas: Pontes, 2014, p.99-124.

DAWSON, M. A. (Ed.) Developing comprehension – including critical reading. Newark: International Reading Association, 1968.

D’ALMAS, J. Da passividade à agência: desenvolvimento de professoras como resultado de empoderamento. 2016. 314f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2016.

DOOLY, M.; SADLER, R. Becoming little scientists: Technologically-enhanced project-based language learning. Language Learning and Technology, Hawai, v.20, n.1, 54-78. 2016.

FAIRCLOUGH, N. Language and power. London: Longman, 1989.

FRANCESCON, P. K.; REIS, S. Contexto da situação em foco em leituras críticas do cotidiano. In: EL KADRI, M. S.; PASSONI, T. P.; GAMERO, R. (Org.). Tendências contemporâneas para o ensino de língua inglesa: propostas didáticas para a educação básica. Campinas: Pontes, 2014, p.83-98.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. São Paulo, SP: Paz & Terra, 2015 [1974], 59ed.

______. Education for critical consciousness. New York, NY: Continuum, 2005 [1974].

GIROUX, H. A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 1997 [1988].

GOODMAN, K. The reading process. In: CARRELL, P. L.; DEVINE, J.; ESKEY, D. (Eds.). Interactive Approaches to Second Language Reading. London, UK: Cambridge Press, 1988, p.11-21.

GUILLEMIN, M.; GILLAM, L. Ethics, reflexivity, and “ethically important moments”
in research. Qualitative Inquiry, California, n.10, v.2, p.261-280. 2004.

HALLIDAY, M. A. K.; HASAN, R. Language, Context, and Text: aspects of language in a social-semiotic perspective. Oxford, UK: Oxford University Press, 1989.

LANKSHEAR, C.; KNOBEL, M. Critical Literacy and Active Citizenship. In: MUSPRATT, S.; LUKE, A.; FREEBODY, P. (Eds.). Constructing Critical Literacies: Teaching and Learning Textual Practice. Broadway, NY: Hamption Press, 1997, p.95-124.

LEFFA, V. J. Perspectivas no estudo da leitura: texto, leitor e interação social. In: ______. (Org.). O ensino da leitura e produção textual: alternativas de renovação. Pelotas, RS: EDUCAT, 1999, p.13-37.

LINCOLN, Y. S.; GUBA, E. G. Paradigmatic Controversies, Contradictions, and
Emerging Confluences. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Ed.). Handbook of
Qualitative Research. Thousand Oaks, CA: Sage, 2000. p. 253-291.

MOORE, J. et al. Effectiveness of Adaptive Concept Maps for Promoting Conceptual Understanding: Findings from a Design-Based Case Study of a Learner-Centered Tool. Advances in Engineering Education, Virginia, v.[s], n.[s], p.1-35, 2015.

PESSOA, R. R.; URZÊDA-FREITAS, M. T. Challenges in Critical Language Teaching. TESOL Quartely, v. [s], n.[s], p.1-24, 2012.

REA-RAMIREZ, M. A.; RAMIREZ, T. M. Changing Attitudes, Changing Behaviors. Conceptual Change as a Model for Teaching Freedom of Religion or Belief. Journal of Social Science Education, Germany, v.16, n.4, p.97-108.

REIS, S.; EGIDO, A. A. Ontologia, Epistemologia e Ética como determinantes
metodológicos em Estudos da Linguagem. In: REIS, S. (Org.). História, Políticas e Ética
na área profissional da linguagem. Londrina: Eduel, 2017. p.227-250.

REIS, S.; D’ALMAS, J.; MANTOVANI, L. Leituras críticas para transformação do cotidiano. In: EL KADRI, M. S.; PASSONI, T. P.; GAMERO, R. (Org.). Tendências contemporâneas para o ensino de língua inglesa: propostas didáticas para a educação básica. Campinas: Pontes, 2014, p.125-150.

SAITO, L. M. Leitura crítica: origens conceituais e sugestões de atividades didáticas para aulas de língua inglesa. 2018. 72f. Dissertação (Programa de Mestrado Profissional em Letras Estrangeiras Modernas) – Universidade Estadual de Londrina, 2018.

SCOTT, M. Critical reading needn’t be left out. The ESPecialist, São Paulo. v.9, n.1, p.123-137. 1988.                

SELWYN, N. Discourses of digital “disruption” in education: A critical analysis. Paper presented to Fifth International Roundtable on Discourse Analysis, City University, Hong Kong. 2013.

SILVA, A. T. Affordances e restrições na interação interpessoal escrita online durante a aprendizagem de inglês como língua estrangeira. 2015. 342 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal do Ceará, Centro de Humanidades.

SINGH, M. G.; MORAN, P. Critical Literacies for Informed Citizenship: Further Thoughts on Possible Actions. In: MUSPRATT, S.; LUKE, A.; FREEBODY, P. (Eds.). Constructing Critical Literacies: Teaching and Learning Textual Practice. Broadway, NY: Hamption Press, 1997, p.125-136.

STREET, B. V. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. São Paulo, SP: Parábola, 2014 [1995],

TOUR, E. Digital Mindsets: Teachers’ technology use in personal life and teaching. Language Learning & Technology, Hawai, v.19, n.3, p.124-139, 2015.

URZÊDA-FREITAS, M. T.; PESSOA, R. R. Discursos de identidades, ensino crítico de línguas e mudança social: análise de uma experiência localizada. In: MATEUS, E.; OLIVEIRA, N. B. (Org.). Estudos Críticos da Linguagem e Formação de Professores/as de Línguas: contribuições Teórico-Metodológicas. Campinas: Pontes, p. 365-396, 2014.

VAN LIER, L. From input to affordance: Social-interactive learning from an ecological perspective. In: LANTOLF, J. (Ed.). Sociocultural theory and second language learning. Oxford: Oxford University Press. 2000.


Recebido em 31-12-2018.

Aceito em 21-03-2019.

 

Palavras-chave

Letramento Digital. Leitura Crítica. Letramento Crítico. Transformação Social.

Texto completo:

PDF