A REALIDADE BATE À PORTA: A CONFRONTAÇÃO ENTRE A FORMAÇÃO DOCENTE, O DISCURSO DA SOCIEDADE E A REALIDADE MULTILÍNGUE DA SALA DE AULA

Fernanda Maria Müller Gehring, Luciana Alves Bonfim

Resumo

É cada vez mais evidente que o professor de português vive um dilema dentro da sala de aula: de um lado, a crença arraigada na sociedade de que o professor de Português deve ensinar o "bom português" ou o "português correto", diretamente associado ao português da variante padrão ou "culta", como alguns preferem chamar.  Por outro lado, o docente é confrontado diariamente com a realidade de sala de aula que evidencia a existência de uma heterogeneidade linguística e faz cair por terra a crença de uma nação monolíngue. Ainda, a formação inicial deste profissional, quando toca no assunto, muitas vezes trata a heterogeneidade linguística de forma superficial, o que acaba por colaborar para o sentimento de dúvida dos professores da disciplina de Português: afinal de contas "qual português ensinar"? É em meio a este espaço de conflito que o professor passa por um constante processo de construção de identidade profissional, muitas vezes angustiante. Longe de propor soluções definitivas, o presente artigo tem como proposta discutir a formação inicial do professor de Letras tendo em vista a heterogeneidade linguística que será encontrada por ele ao longo do seu estágio e consequente vida docente, considerando o processo de construção de sua identidade profissional. O aporte teórico constitui-se de leituras a respeito da identidade (HALL, 2000), concepções de linguagem e língua (PERFEITO, 2007; CÉSAR; CAVALCANTI, 2007), heterogeneidade linguística em sala de aula e formação de professores (BAGNO, 2009; BRASIL, 1998; OLIVEIRA, 2008; SIQUEIRA, 2012).

Palavras-chave

Variedade linguística; formação de professores; construção de identidade.

Texto completo:

PDF