A urgência da poesia na escola: leitura dos poemas de Manoel de Barros

Alinny Rodrigues Pereira Silva

Resumo


Afetado pela vida moderna, o homem tem sido pautado pelo imediatismo, o racionalismo, o individualismo e etc, o que sugere a urgente tentativa de ordenar e compreender um mundo e um eu fragmentado. Acerca disto, propõe-se uma reflexão acerca da poética de Manoel de Barros que trata com simplicidade, temas aparentemente insignificantes que ganham importâncias incomensuráveis à sutil forma com que aborda o complexo universo das relações humanas. Assim, tem se uma investigação que visa esclarecer a relevância do ensino de poesia e como a experiência poética contribui com a educação do ser humano.

 


Palavras-chave


Ensino de Poesia; Manoel de Barros; Sensibilidade Estética.

Texto completo:

PDF

Referências


AVERBUCK, Ligia Morrone. A poesia e a escola. In: AGUIAR, Vera Teixeira de. Leitura em crise na escola: as alternativas do professor. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988.

BARBOSA, João Alexandre. As ilusões da modernidade. São Paulo: Perspectiva, 1986.

BARROS, Manoel de. Caros amigos: Três momentos de um gênio. Ano X número 117. Dezembro, 2006.

______. Compêndios para uso dos pássaros, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1990.

______. Gramática expositiva do chão: Poesia quase toda. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

______. O fazedor de amanhecer. SP: Salamandra, 2010.

______. Tratado Geral das Grandezas do Ínfimo. RJ: Record, 2001.

______. Memórias Inventadas: As infâncias de Manoel de Barros. São Paulo: Planeta do Brasil, 2010.

BOSI, Alfredo. A dicotomia língua e literatura. In: LEITE, Lígia Chiappini de Moraes. Gramática e literatura: desencontros e esperanças. In GERALDI, João Wanderley (Org). O texto na sala de aula. 3. ed. São Paulo: Ática, 2001.

______. História concisa da literatura brasileira. 37. ed. São Paulo: Cultrix, 2000.

BRASIL, terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: Língua / Secretária de Educação Fundamental. Brasília: MEC / SEF, 1998.

CAMARGO, Goiandira de F. Ortiz. A Poética do Fragmentário: Uma leitura de poesia de Manoel de Barros. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro: UFRJ, 1996.

ECO, Humberto. Texto como pretexto. São Paulo: Perspectiva, 1996.

FRIEDRICH, Hugo. Estrutura da lírica moderna: da metade do século XIX a meados do século XX. Trad. Marise M. Curiosini. São Paulo: Duas cidades, 1991.

GRANJEIRO, Alessandra Carlos Costa. A construção da imagem na poesia de Manoel de Barros: REVELLI, v. 1, n. 1, março de 2009.

GUEDES, Paulo. A formação do professor de português: que língua vamos ensinar? São Paulo: Parábola, 2006.

LEITE, Lígia Chiappini de Moraes. Gramática e literatura: desencontros e esperanças. In GERALDI, João Wanderley (Org). O texto em sala de aula. 3. ed. São Paulo: Ática, 2001.

PAZ, Octávio. Signos em rotação. Trad. Sebastião Uchoa Leite. São Paulo: Perspectiva, 1976.

MELO, Fábio de. Bem da palavra do bem. São Paulo: Canção Nova, 2002.

RIBEIRO, João. O que é positivismo. São Paulo: Brasiliense, 1994.

SILVA, Genilson da. Educação e cidadania. Pátio, ano IX, n. 36, novembro 2005/ janeiro 2006.

SHOPENHAUER, Artur. O mundo como vontade e representação. Unesp, 2005.

WALDMAN, Berta. Poesia ao Rés do Chão. In: BARROS, Manoel de. Gramática Expositiva do Chão. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.




Direitos autorais 2016 Autores mantêm os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob CC-BY-NC-SA 4.0 que permite o compartilhamento do trabalho com indicação da autoria e publicação inicial nesta revista

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.