Edições anteriores

2018

Capa da revista

v. 12, n. 3 (2018)

A noção de gênero tem estado em discussão há muito tempo e a partir de diferentes perspectivas teóricas. Em 1968, em seu livro Sexo e Gênero (1968), o psiquiatra Robert Stoller menciona o conceito de gênero, descrevendo os processos de construção de identidades de gênero através da articulação entre processos sociais, nomeação familiar e questões biológicas. Todavia, ressalta Saffioti (1999) que, embora não houvesse formulado o conceito de gênero, Simone de Beauvoir, já na década de 1950, em sua famosa frase “Não se nasce mulher, torna-se”, lutando contra o essencialismo biológico, indiciou ser a sociedade responsável pela transformação do bebê em mulher ou homem, sendo, desse modo, a precursora do conceito de gênero. No Brasil, esse conceito alastrou-se rapidamente a partir da publicação da tradução do texto de Joan Scott “Gênero: uma categoria útil de análise histórica” (1995). Nele, Scott, por meio da discussão de diferentes correntes (históricas) de pensamento, critica o conceito de patriarcado e define gênero como “um elemento constitutivo de relações sociais baseadas nas diferenças percebidas entre os sexos e como uma forma primária de dar significação às relações de poder” (SCOTT, 1995, p. 86). Também os trabalhos de Butler são associados ao conceito de gênero que, por meio de leitura da performatividade na linguagem, propõe desfazer a dicotomia sexo/gênero. Para a autora (BUTLER, 2008), gênero, enquanto performance, não é nem um conjunto, inscritos no corpo de significados culturais, nem a interpretação de um corpo sexuado, mas um conjunto de normas instituídas, mantidas e repetidas sobre o corpo que geram e tornam a pessoa viável ou inviável. Em uma perspectiva discursiva, de acordo com Orlandi (2017, p. 210), “Por ser considerado um ‘papel’ social, dizem alguns autores que afirmam esta noção, o gênero pode ser construído e desconstruído, ou seja, pode ser entendido como algo mutável e não limitado, como definem as ciências biológicas. Ora, não é bem assim, na perspectiva discursiva. Pois, se não é a ciência biológica, ou o binarismo social (homem-mulher), que nos determina, no funcionamento da ideologia, não é nossa vontade pessoal tampouco que inscreve/define nossos processos de identificação, nem apenas o modo como somos individuados”. Diante desses diferentes posicionamentos e teorizações, o Dossiê Temático Gênero: revisitando teorias, movimentando análises será dedicado a estudos e pesquisas que se ocupem em problematizar e analisar como a noção de gênero constitui-se no interior das Ciências Humanas e Sociais, bem como analisar como as diversas identidades de gêneros são constituídas, reunindo assim um conjunto de reflexões que envolvam modos de constituição, formulação e circulação de sentidos para o(s) gêneros e das subjetividades LGBTTQ e(m) seus movimentos sociais na contemporaneidade.

Organização: Alexandre Sebastião Ferrari Soares; Dantielli Assumpção Garcia; Lucília Maria Abrahão e Sousa.

Capa da revista

v. 12, n. 2 (2018)

O filósofo esloveno Slavoj Zizek tornou-se muito conhecido no Brasil na última década, embora seu trabalho já fosse lido na Europa e nos EUA desde os anos 1990. Polêmico, realizando releituras de Hegel (que recebem críticas dos hegelianos tradicionais) e de Lacan (que são consideradas impecáveis pelos lacanianos tradicionais), com um estilo peculiar de escrita, provocador, tornou-se uma referência quando se trata de desmistificar o senso comum dentro da Academia. Por exemplo, ele implode as barreiras que se opõem à abordagem de obras “ruins”, “de mero entretenimento”, pois crê que mesmo o objeto mais insignificante pode conter insights preciosos sobre a configuração ideológica de seu contexto de produção. Sua obra tem se revelado aplicável a distintos campos do conhecimento, e este dossiê temático contempla tais influências na Cultura e na Literatura".

Organização: Marisa Correa Silva.

Capa da revista

v. 12, n. 1 (2018)

O dossiê pretende acolher pesquisas que versam sobre as mulheres escritoras e suas representações literárias tanto na Europa - com foco na Península Ibérica - quanto na América Latina, a partir de múltiplas perspectivas, estabelecendo intersecções com outras áreas do conhecimento como as ciências sociais, a história, a filosofia, a psicologia, os estudos da memória, as artes, entre outras. Da mesma maneira, considera-se importante artigos que abordem as obras dessas autoras em relação comparada ou não, examinando os aspectos políticos e estéticos de suas escrituras, dando visibilidade e reconhecimento para estas mulheres. Aceita-se contribuições sobre os seguintes temas: a experiência no exílio, escritoras negras, literatura comparada, escritoras e prêmios literários, escritoras “silenciadas”, escrevendo em um contexto ditatorial, escritoras esquecidas, literatura epistolar, escritas da prisão.

Organização: Adriana Aparecida de Figueiredo Fiuza e Gabriela de Lima Grecco.


2017

Capa da revista

v. 11, n. 3 (2017)

Este dossiê contempla reflexões sobre a rápida transformação tecnológica, o aparecimento de novos dispositivos de comunicação e o advento das mídias interativas as possibilidades de formas alternativas para a literatura. O crescimento da indústria cultural, constituída de espetáculos audiovisuais destinados ao mero entretenimento, colocou a literatura em lugares e práticas diversas. O dossiê “LITERATURA E MULTIMEIOS” pressupõe a pratica literária em múltiplos formatos, e em variadas plataformas. Livros e historias podem adquirem forma cross-media, integrando jogos online, intermídias, redes sociais, quadrinhos, etc.

Organização: Acir Dias da Silva e Beatriz Helena Dal Molin.

Capa da revista

v. 11, n. 2 (2017)

Este dossiê contempla reflexões sobre conhecimentos advindos da afinidade entre cinema e educação, cinema e história, processo técnico/estético e desenvolvimento de relações do audiovisual como produto cultural multidisciplinar, bem como suas práticas e atores, tendo como parâmetro as experiências contemporâneas. O referencial teórico do dossiê “CINEMA, EDUCAÇÃO, HISTÓRIA E OUTROS TEMAS INTERDISCIPLINARES” está ancorado em conceitos e autores da educação, história, filosofia, sociologia, antropologia, arte e literatura.

Organização: Salete Machado Sirino e Zeloi Martins dos Santos.

Capa da revista

v. 11, n. 1 (2017)

APRESENTAÇÃO DA 29ª EDIÇÃO DA TRAVESSIAS

Esta edição da Revista Travessias, Sexualidade, gênero e educação na sociedade contemporânea, edição 29, diz respeito às discussões de gênero na sociedade (como um todo) de forma a dar visibilidade às muitas reflexões a partir de diversas abordagens teóricas. Pensamos (e colocamos em prática) em prestigiar as variadas formas de expressão dos estudos de gênero: promovendo o debate sobre a identificação e construção de espaços (sempre) inclusivos, bem como do gênero e da sexualidade como características ontológicas do homem e da mulher atravessadas pela sociedade, pela cultura, pelos discursos, pelos imaginários, pelos significantes, ou seja, construídas no conjunto de espaços sociais e culturais num processo em construção.

Organização: Andréa Cristina Martelli e Alexandre Sebastião Ferrari Soares.


2016

Capa da revista

v. 10, n. 3 (2016)

O presente dossiê se apresenta como mais uma tentativa de reflexão sobre o ensino da língua portuguesa como uma forma de constituir cidadãos que despertam o interesse sobre as várias formas de usos da língua, considerando-se aspectos gramaticais e/ou discursivos. O ensino tradicional é concebido como descontextualizado, o que, em decorrência, promove a concordância, geral, de que a gramática não deve ser considerada como um fim. No entanto, o próprio termo gramática não é devidamente explicitado em cursos de formação inicial e continuada, mesmo que se possa elencar um estado da arte, atualmente disponível nas mídias, que possibilitaria espaços de discussão ou mesmo de avaliação da prática docente e do aporte, talvez metodológico, que a Linguística pode proporcionar. Reconhecer o funcionamento dos recursos linguísticos no processo de interação deveria ser o grande mote para o aprendizado de todo o complexo que envolve o ilusório da compreensão imposta, invisivelmente estabelecida, e, por isso mesmo, nem percebida.

Capa da revista

v. 10, n. 2 (2016)

O presente dossiê foi proposto para que pesquisas sobre análises das relações e das experiências, em torno da leitura do texto literário e de práticas pedagógicas, possam ser divulgados. Aceitam-se artigos que retratem a leitura literária como uma das fontes privilegiadas de aquisição do hábito de leitura, de conhecimento de si e do outro e da reflexão sobre o mundo sociocultural. Os artigos devem refletir sobre a obra literária como prática social, em sua potência de romper com o familiar e o gasto/clichês e ampliar o repertório das representações existentes e da capacidade de semiose. Artigos que discutam a figura do leitor agente, que interage com o texto literário, que reinventa ou mesmo acrescenta cenas, personagens, dados e fatos, justamente porque consegue entender, depois de um processo de letramento, o intertexto por meio de uma intuição subjetiva, eivada de reflexão, de sinapses, de busca pelas contradições, de busca pelo mundo. Como formar esse leitor no ensino fundamental, mesmo diante da falta de discussão sobre o lugar e função do texto literário no espaço escolar, nos diversos anos cronologicamente estabelecidos?

Capa da revista

v. 10, n. 1 (2016)

A proposta deste dossiê decorre da necessidade de que se discutam metodologias sobre o uso de Novas Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC), como auxiliar ao ensino da língua portuguesa. Para tanto, aceitam-se propostas de artigo relativas à aplicação de multiletramentos em aulas de língua portuguesa e que apresentem e/ou analisem recursos didático-pedagógicos como aplicativos, softwares, e ainda sites que possam contribuir com os processos de ensino e aprendizagem. Também se aceitam reflexões sobre práticas utilizadas em aulas, com recursos multisemióticos, sobre Objetos de Ensino e Aprendizagem (ODEA) e sobre o uso de diferentes suportes. Urge discutir essas questões e propor mudanças metodológicas, a fim de considerar a imersão tecnológica da geração atual e os recursos que podem contribuir de algum modo para a Educação.







1 a 25 de 33 itens     1 2 > >>