A FILOSOFIA SEMÂNTICA TRADICIONAL: Uma abordagem entre Frege e Russell

Bruno Fernandes de Oliveira

Resumo

RESUMO: O objetivo deste artigo é apresentar o que Friedrich Ludwig Gottlob Frege (1848-1925) entende sobre sentido (Sinn) e referência (Bedeutung) dos nomes próprios e das sentenças assertivas completas e a crítica que Bertrand Russell (1872 – 1970) faz ao sentido fregeano, ou seja, uma sentença não tem sentido como Frege propõe, ela simplesmente denota.  A investigação far-se-á através da obra Sobre o Sentido e a ReferênciaÜber Sinn und Bedeutung [2009 (1892)], na qual Frege propõe uma distinção entre os termos e da obra Da DenotaçãoOn Denoting – [1978 (1905)], na qual Russell sustenta que uma expressão só denota. Não é a minha intenção fazer uma abordagem minuciosa, e sim apresentar a distinção entre sentido e referência para Frege, e analisar como Russell tenta resolver o paradoxo semântico fregeano. É neste sentido que este artigo se norteará.

Palavras-chave

Frege; Russell; Semântica; Sentido; Referência

Texto completo:

PDF