O CONTRATUALISMO NA DISPUTA PELA LEGITIMIDADE DA ORIGEM DO INSTINTO HUMANO: OS ASSENTAMENTOS MATERIAIS DA MORAL EM CHARLES R. DARWIN

Alan Júnior dos Santos

Resumo


Em contraposição à teoria contratualista, principalmente a linha hobbesiana, da origem das sociedades organizadas e das faculdades morais, Darwin lança um novo olhar sobre as formas elementares do convívio primitivo em “Descent of man” (1871). Darwin ponderou que o ser humano não ocupa um espaço privilegiado no mundo vivo, afirmando que a definição da condição humana como portador de características de sociabilidade e criação de caracteres simbólicos de significados, são um dado possibilitado por transformações que o Homo Sapiens passou dentro de uma variedade de espécie em contato com outras formas de variedades. Porém este novo olhar é ofuscado por sua obra anterior de mais destaque, “Sobre a Origem das Espécies” (1859), que embora não aplique suas conclusões sobre a organização social do homem, é assim interpretada pelas ciências humanas ocidentais oitocentistas. Este artigo tem por objetivo discutir a concepção que Darwin levantou sobre a “moral” e sua constituição a partir de processos biológicos em contraposição à teoria contratualista clássica, e a partir disto entender porque sua segunda obra de maior relevância foi ofuscada por quase um século retornando aos holofotes somente a partir da década de 1980.


Palavras-chave


Darwin; Moral; Contratualismo.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2018 Alamedas

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista Alamedas - Revista Eletrônica de Filosofia


e-ISSN 1981-0253

Unioeste

Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Campus de Toledo

Rua da Faculdade, 645 - Jardim La Salle

CEP: 85903-000 – Toledo-Paraná-Brasil

Fone: (45) 3379-7071

| revistaalamedas@gmail.com |