Baudolino e a literatura picaresca

Wellington Ricardo Fioruci

Resumo


Tendo em vista a importância dos recursos intertextuais e paródicos no que concerne aos estudos de análise literária comparativa, é possível observar um intenso diálogo, ainda que separado por séculos de história, entre as obras picarescas espanholas dos séculos XVI e XVII e o romance medievalista de Umberto Eco, Baudolino(2000), autor italiano contemporâneo. Umberto Eco empreende em seu romance uma viagem de volta à Idade Média, em uma narração que certamente deve muito ao romance picaresco, pois se por um lado seu protagonista não nega suas características de pícaro, por outro a obra se pauta por uma leitura das vicissitudes históricas da época, compondo um imenso painel paródico em que se entremesclam erudição, fábula e história. A presente comunicação tem por objetivo traçar, primeiramente, no que se refere ao âmbito das personagens, uma analogia entre o personagem picaresco Lázaro, protagonista antiheróico por excelência da obra anônima Lazarillo de Tormes, e o italiano Baudolino no que diz respeito a sua “aprendizagem”, ou ainda, a sua não-evolução; por outro lado, o presente trabalho destacará o processo de des(re)construção da história propiciado pelo recurso paródico em ambos os romances, cuja tônica reside na eficiência de sua linguagem dialógica e desmitificadora.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.48075/rlhm.v2i2.1166

Direitos autorais



Revista de Literatura, História e Memória - Qualis B2

ISSN: 1983-1498 — ISSN: 1809-5313


Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Programa de Pós-Graduação em Letras - PPGL

Rua Universitária, 2069 - Jardim Universitário
Cascavel – Paraná - CEP: 85819-110

| revistalhm@gmail.com |