LEPRA, PRECONCEITO E SOFRIMENTO: PONTOS DE CONTATO ENTRE NARRATIVAS LITERÁRIAS E NARRATIVAS EM PRIMEIRA PESSOA

Daniele Borges Bezerra, Juliane Conceição Primon Serres

Resumo

O termo “lepra” tem sido empregado, há milênios, em associação a situações degradantes. Esse aspecto negativo, culturalmente construído, possui um caráter ficcional que se origina em tentativas não científicas de explicar o desconhecido. O preconceito foi ampliado com o cristianismo, quando a doença passou a ser entendida como consequência do castigo divino. É comum a utilização do termo “lepra” no sentido de falhas de ordem moral. Para contrapor essa visão estigmatizante, surgem livros de cunho autobiográfico e documentários que têm por objetivo transmitir experiências individuais, denunciar o sofrimento causado pelas políticas de isolamento e reduzir o preconceito relacionado à doença. Pretendemos ampliar a compreensão do sofrimento humano que está por trás da lepra e avançar no processo de desconstrução do preconceito ao explorar alguns lugares de memória de relevância histórica.

 

 

Palavras-chave

Memória; Direitos Humanos; História oral; Literatura

Texto completo:

PDF