A PERFOMANCE DE MORTE E VIDA SEVERINA UMA USINA DE ENERGIA POÉTICA EM PRODUÇÃO

Maria de Fátima Gonçalves Lima

Resumo


À semelhança do mar, o texto  teatral/poético de João Cabral  recebe as palavras/ pedras e outras impurezas de rios poluídos de uma possível realidade Severina e vidas marcadas pela morte e  transfigura a dura realidade  em  literatura com sua  entranha e estranhamento próprios do artístico. As palavras/ pedras/realidade/ vida e arte são purificadas e   pluralizadas e se transformam  em uma usina de um verbo poético,  polissêmico,   uma usina de energia  em produção de vida  e arte,  faz pasmar o momento e a sociedade pensar sobre a própria existência.


Palavras-chave


vida, morte, auto, poesia, mar, polissemia

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2017 Revista de Literatura, História e Memória

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista de Literatura, História e Memória - Qualis B2

ISSN: 1983-1498 — ISSN: 1809-5313


Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Programa de Pós-Graduação em Letras - PPGL

Rua Universitária, 2069 - Jardim Universitário
Cascavel – Paraná - CEP: 85819-110

| revistalhm@gmail.com |