A CASA DUPLICADA NO CONTO A ÚLTIMA NÉVOA, DE MARIA LUISA BOMBAL

Fernanda de Mello Veeck, Amanda Leonardi de Oliveira

Resumo


O tema do duplo é recorrente na literatura ao longo do tempo, sua origem, de acordo com Otto Rank, em sua obra The Double (1971), remete à antiguidade. Segundo o autor para os antigos gregos e egípcios a alma seria uma imagem duplicada do corpo. O conceito do duplo não está restrito às literaturas de línguas anglo-saxônicas, sistema literário ao qual pertencem os célebres William Wilson (1839), de Edgar Allan Poe e O Médico e o Monstro (1885), de Robert Louis Stevenson, mas também pode ser encontrado em obras de diferentes países. Outro célebre exemplo pertence à literatura russa: obra O duplo (1846), de Fiódor Dostoiévski. Todavia, o conceito do duplo perpassa o século XIX, reverberando no século XX, em obras instigantes como A última névoa (1935), conto da escritora chilena Maria Luisa Bombal, que embora pouco conhecida no Brasil na atualidade, é considerada uma das mais expressivas autoras latino-americanas. O presente estudo tem como objetivo analisar como ocorre a duplicação dos espaços físicos no conto A última névoa.


Palavras-chave


Duplo; Espaços físicos; Edgar Allan Poe; Conto; A última névoa; Maria Luiza Bombal

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2019 Revista de Literatura, História e Memória

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista de Literatura, História e Memória - Qualis B2

ISSN: 1983-1498 — ISSN: 1809-5313


Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Programa de Pós-Graduação em Letras - PPGL

Rua Universitária, 2069 - Jardim Universitário
Cascavel – Paraná - CEP: 85819-110

| revistalhm@gmail.com |