Representações históricas da Irlanda no filme “Em nome do pai”, baseado no texto autobiográfico de Gerry Conlon

Maria Inês Chaves, Brunilda Tempel Reichmann

Resumo

Este trabalho tem como objetivo analisar o diálogo entre um episódio da história da Irlanda e Inglaterra durante a extensiva atuação terrorista do IRA (Irish Republican Army) na década de 70 e sua adaptação fílmica. Os acontecimentos que envolveram esse fato foram relatados em narrativa autobiográfica, intitulada Proved Innocent, por Gerry Conlon, um dos envolvidos, e transpostos para a tela pelo cineasta Jim Sheridan, em parceria com outro irlandês, Terry George. O filme, intitulado “In the Name of the Father”, repercutiu internacionalmente, tendo sido premiado na Itália e Alemanha, além de ter sido indicado para premiação em sete categorias da Academy Award (Oscar). O filme relata a história de Gerry Conlon, Paul Hill, Paddy Armstrong e Carole Richardson, que foram, por um erro do sistema judicial inglês, condenados a prisão por terem, supostamente, praticados atos terroristas no bar Horse and Groom, localizado em Guildford, nos arredores de Londres. Esse atentado resultou na morte de cinco pessoas e inúmeros feridos. O desdobramento desse acontecimento, até hoje considerado como o maior equívoco da justiça britânica, levou, após intensa mobilização pública liderada por Gerry Conlon, o governo britânico a desculpar-se publicamente, através do Premiê inglês Tony Blair. A narrativa fílmica mantém o teor político do texto autobiográfico e transpõe para a tela um marco da história da Irlanda e Inglaterra.

Palavras-chave

História Irlandesa; Autobiografia; Cinema; Adaptação.

Texto completo:

PDF