O mito em Os Cavaleiros do Zodíaco

Ademar Magi

Resumo


O Cinema, em sua existência, tem apresentado diversas formas. Uma delas é o cinema de animação. Esta vertente, geralmente vista com certo preconceito, é considerada infantil, e, portanto incapaz de tratar de temas sérios. Porém um olhar mais atencioso mostrará que ela vai além deste ponto. Hoje temos grandes obras, como O Conde de Monte Cristo, de Alexandre Dumas, e Romeu e Julieta, de Shakespeare, adaptados para a animação. Em seus processos de transcodificação, eles não apenas recorrem ao mito como também vão além, criam, adaptam e transformam a obra literária tendo por objetivo reler obras originais. Uma das fontes mais usuais para os criadores no cinema é a mitologia greco-romana, da qual os produtos da animação se apropriam em diversos níveis. Em Os Cavaleiros do Zodíaco: Prólogo do Céu, constataremos este processo de reconstrução do mito, ao compararmos as ações das personagens apresentadas no texto anímico com mitos aos quais se referem, e, neste processo, verificamos que existe uma grande diferença no tratamento dado a cada um, desde as personagens simplesmente alegóricas, como é o caso de Teseu e Odisseu, até aquelas que mantêm certos traços do mito como, Atena e Apolo, e os que mantêm os elementos essenciais do mito como é o caso de Ìcaro.

Palavras-chave


Transcodificação; Animação; Mitologia; Adaptação.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais



Revista de Literatura, História e Memória - Qualis B2

ISSN: 1983-1498 — ISSN: 1809-5313


Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Programa de Pós-Graduação em Letras - PPGL

Rua Universitária, 2069 - Jardim Universitário
Cascavel – Paraná - CEP: 85819-110

| revistalhm@gmail.com |