LEITURAS CANUDENSES NO LIMIAR ENTRE LITERATURA, HISTÓRIA E MEMÓRIA

Adenilson de Barros de Alburquerque, Francisco G. Fleck

Resumo


O presente trabalho tem como finalidade apresentar aspectos relacionados à literatura, história e memória em dois romances históricos representativos de uma temática em comum: a Guerra de Canudos (1896-7). A partir da leitura de Canudos – as memórias de frei João Evangelista de Monte Marciano (1997), de Ayrton Marcondes e O pêndulo de Euclides (2009), de Aleilton Fonseca, entende-se ser possível estabelecer um diálogo entre os três elementos fundamentais propostos aqui. Tanto frei João Evangelista como o seu Ozébio, apresentado por Fonseca, rememoram o passado, cada um a sua maneira, intrinsecamente ligado ao massacre sertanejo no sertão da Bahia. Assim, para essa exposição analítica de ficção histórica e memória evidenciada naqueles romances canudenses, como fundamentação teórica básica nos valemos dos estudos realizados por vários especialistas que se voltam às relações entre os diferentes discursos que buscam tornar o passado inteligível no presente.

Palavras-chave


Romance históric;. Memória;Guerra de Canudos.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais



Revista de Literatura, História e Memória - Qualis B2

ISSN: 1983-1498 — ISSN: 1809-5313


Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Programa de Pós-Graduação em Letras - PPGL

Rua Universitária, 2069 - Jardim Universitário
Cascavel – Paraná - CEP: 85819-110

| revistalhm@gmail.com |