A HIBRIDEZ SE REVELA: METAFICÇÕES HISTORIOGRÁFICAS

Robert Thomas Georg Würmli

Resumo

RESUMO: Dentre os diversos gêneros híbridos encontrados na contemporaneidade, a metaficção historiográfica, estilo de criação literária que mescla os discursos histórico e ficcional, é um dos que mais se vale dessa mescla para produção de suas narrativas. Assim, o que se observa é a hibridez a níveis altos, na qual literatura e história não passam de discursos, de produções humanas (HUTCHEON, 1991), passíveis de manipulações, omissões, enganos e erros. Para tais produções, não se pode falar em verdade e mentira, fato e fantasia, uma vez que todas as diferentes visões de determinado fato podem ser vistas como perspectivas e, nesse sentido, todas são válidas. Tendo em vista os romances The Memoirs of Christopher Columbus (1987) e Vigília do Almirante (2003), o que se procura demonstrar é como tais narrativas, criações literárias contemporâneas, lidam com a mescla entre ambos os discursos, e como se diferenciam, uma com a outra. As contribuições de estudiosos como Fleck (2008), Aínsa (1991), Menton (1993), Pulgarín (1995), entre outros, tornam-se relevantes à pesquisa, pois as diferenças entre os níveis de metaficção em cada um dos romances acarretam também em diferenças ideológicas, e tais autores, ao trabalharem com o modelo literário, delimitaram as fundações e características deste modelo.

Palavras-chave

Metaficção Historiográfica; Literatura Comparada; Romances históricos contemporâneos

Texto completo:

PDF