TEMPO NARRADO: VOZES E SILENCIAMENTOS DE TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA RETORNADOS DO PARAGUAI

Autores

  • Maria Cristina Lobregat UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.48075/ra.v7i1.22697

Palavras-chave:

Memória. Esquecimento. Retorno migratório.

Resumo


Este artigo parte da interpretação das narrativas orais  de trabalhadores rurais que passaram pela experiência migratória de retorno ao Brasil nas últimas três décadas. As  narrativas são documentos coletados durante a pesquisa etnográfica de doutoramento realizada no Acampamento Sebastião Camargo, vinculado ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. As histórias narradas por homens e mulheres, trabalhadores rurais, Sem Terra trazem as lembranças da experiência de vida nas colônias existentes no Paraguai, mas também marcam o esquecimento e, consequentemente, o silenciamento. Ao pensar estas narrativas de vida como importantes para a escrita da história da fronteira no Oeste do Paraná, destacaremos as construções de memórias coletivas e individuais dialogando com Jöel Candau e Michael Pollak, dando ênfase ao que é permitido lembrar e esquecer, processos construtivos do apagamento dos trabalhadores que passaram pela experiência de retorno. Diante disso, a reflexão será ancorada nas ideias de  Abdelmalek Sayad por entender o retorno como uma condição daquele que migra.

Downloads

Publicado

05-08-2019

Como Citar

LOBREGAT, M. C. TEMPO NARRADO: VOZES E SILENCIAMENTOS DE TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA RETORNADOS DO PARAGUAI. Alamedas, [S. l.], v. 7, n. 1, p. 47, 2019. DOI: 10.48075/ra.v7i1.22697. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/alamedas/article/view/22697. Acesso em: 30 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigos e Ensaios