Pegada Ecológica Urbana: Cálculos e Questionamentos. Um Caso de Estudo em Araguari, MG, Brasil

Autores

  • Manfred Fehr
  • Marilda Resende Melo

Palavras-chave:

Biocapacidade, Dinâmica temporal da pegada ecológica, Pegada ecológica de Araguari MG, Pegada ecológica urbana, Produtividade ecológica.

Resumo


O estudo perseguiu o objetivo de determinar a pegada ecológica da população da cidade de Araguari, MG, Brasil. Usou-se o método padrão disponível na literatura que converte o consumo de recursos em áreas de terreno ao dividi-lo pela produtividade ecológica. Os dados primários provieram de pesquisas de campo, da administração municipal e da literatura do ramo. O resultado mostrou uma pegada ecológica de 1,58 hectares globais por pessoa para o ano de 2013, quando a biocapacidade da Terra era de 1,71 hectares globais por pessoa. 88% do valor da pegada originaram do consumo de alimentos e de transporte. O restante correspondeu a áreas construídas, bens de consumo e serviços. O estudo lançou à Administração Municipal o desafio de incentivar a redução da pegada no futuro para acompanhar a diminuição da biocapacidade com o crescimento populacional.

Downloads

Publicado

26-07-2018

Como Citar

FEHR, M.; RESENDE MELO, M. Pegada Ecológica Urbana: Cálculos e Questionamentos. Um Caso de Estudo em Araguari, MG, Brasil. Perspectiva Geográfica, [S. l.], v. 13, n. 18, p. 72–85, 2018. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/pgeografica/article/view/20040. Acesso em: 3 jul. 2022.

Edição

Seção

Artigos