UMA LEITURA DAS TRADUÇÕES CUBANA E ARGENTINA DE 'QUARTO DE DESPEJO' SOB A PERSPECTIVA DA CRÍTICA FEMINISTA DECOLONIAL DE TRADUÇÃO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rlhm.v17i30.28080

Palavras-chave:

Carolina Maria de Jesus, Quarto de despejo, traduções ao espanhol, crítica feminista de tradução, feminismo decolonial

Resumo


Este trabalho visa indagar nas traduções ao espanhol de Quarto de despejo de Carolina Maria de Jesus do século XX, Quarto de despejo, diario de una mujer que tenía hambre publicada em 1961 na Argentina e Favela publicada em 1965 em Cuba. Ambas são examinadas sob a perspectiva da crítica feminista de tradução, com o objetivo de visibilizar como raça, classe e gênero conformaram um entramado estreito e indissolúvel que condicionou tanto a recepção da autora na América Latina e o Caribe, quanto o tratamento que os/as tradutores/as deram a sua obra. Para isso, apresentamos brevemente a conjuntura editorial de cada caso e depois analisamos detidamente os paratextos elaborados pelos/as tradutores/as. Por fim, chamamos a atenção às observações dos/as diversos/as agentes literários implicados, que insistiram em remarcar a ‘importância sociológica’ da obra, reproduziram os erros gramaticais do texto fonte e, em consequência, se empenharam em apagar as escolhas estéticas da autora que correspondiam à linguagem da literatura clássica. 

Biografia do Autor

Penélope Serafina Chaves Bruera, Mestranda na Pós-Graduação em Estudos da Tradução na Universidade Federal de Santa Catarina, PGET/UFSC

Mestranda da PGET-UFSC. Bacharel em Letras, Artes e Mediação Cultural pela UNILA. Tem experiencia em tradução no par espanhol-português e revisão de textos literários para publicação; dentre eles se destaca a tradução ao espanhol da literatura de Carolina Maria de Jesus publicada na Colômbia pela Editora Uniandes e na Argentina por Mandacaru Ediciones. Atua ativamente como tradutora e revisora no Laboratório de Tradução da Unila desde 2016, e no blog bilíngue A escrita e o fora desde 2019. Temas de pesquisa incluem gêneros literários digitais; tradução colaborativa; literaturas marginais; literatura de fronteiras; estudos de tradução feminista e decolonial.

Downloads

Publicado

01-02-2022

Como Citar

CHAVES BRUERA, P. S. UMA LEITURA DAS TRADUÇÕES CUBANA E ARGENTINA DE ’QUARTO DE DESPEJO’ SOB A PERSPECTIVA DA CRÍTICA FEMINISTA DECOLONIAL DE TRADUÇÃO. Revista de Literatura, História e Memória, [S. l.], v. 17, n. 30, p. 176–195, 2022. DOI: 10.48075/rlhm.v17i30.28080. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/rlhm/article/view/28080. Acesso em: 15 ago. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ: FEMINISMOS E LITERATURAS