O(s) porquê(s) da não inserção dos grupos de catadores que atuam nas unidades de triagem (UT’s) do sistema de coleta seletiva municipal no planejamento e na gestão dos resíduos sólidos em Rio Grande (RS)

Bruno Cesar Fernandez Farias

Resumo

Verifica-se que a Prefeitura Municipal do Rio Grande (PMRG) não vem atendendo ao conteúdo da Política Nacional dos Resíduos Sólidos (PNRS), sobretudo no que tange à inserção de grupos de catadores de material reciclável na gestão e no planejamento dos resíduos sólidos no município. Isso porque a maioria das organizações de catadores das unidades de triagem (UT’s) da coleta seletiva municipal atuam na informalidade, em condições de trabalho precárias e com baixos rendimentos, visto que sua renda se restringe ao que obtêm com a venda dos recicláveis. Assim, o objetivo geral da pesquisa foi problematizar a situação de superexploração da mão de obra dos catadores e identificar as possíveis razões de sua não inserção no planejamento e na gestão dos recicláveis no município. Como resultado, destaca-se que a prefeitura não os remunera pelo serviço ambiental prestado. Aliás, antes de exercer uma atividade de interesse ambiental, procuram, por meio dela, suprir suas necessidades básicas de sobrevivência no contexto de uma sociedade desigual e injusta como a brasileira. Nesse sentido, a valorização socioeconômica dos catadores deve contemplar também a importância ambiental de sua atividade, além do que recebem pelo que vendem.

Palavras-chave

Coleta Seletiva Municipal em Rio Grande (RS), Grupos de Catadores, Unidades de Triagem (UT’s), Superexploração da Mão-de-Obra.

Texto completo:

PDF

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FABRICANTES DE LATAS (ABRALATAS). Notícia do dia 27-10-2017: Brasil reciclou 280 mil toneladas de latas de alumínio em 2016 e mantém índice próximo a 100%. 2017. Disponível em: http://www.abralatas.org.br/brasil-reciclou-280-mil-toneladas-de-latas-de-aluminio-em-2016-e-mantem-indice-proximo-a-100/. Acesso em: 10 de julho de 2018.

BRASIL, 2010a. Lei 12.305, de 02 de agosto de 2010. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12305.htm. Acesso em: 24 de março de 2019.

BRASIL, 2010b. Decreto Federal 7.404, de 23 de dezembro de 2010. Regulamenta a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Decreto/D7404.htm. Acesso em: 24 de março de 2019.

COMPROMISSO EMPRESARIAL PARA RECICLAGEM (CEMPRE). Lixo municipal: manual de gerenciamento integrado. 2018a. Disponível em: http://cempre.org.br/upload/Lixo_Municipal_2018.pdf. Acesso em 24 de março de 2019.

COMPROMISSO EMPRESARIAL PARA RECICLAGEM (CEMPRE). Pesquisa Ciclosoft 2018. 2018b. Disponível em: http://cempre.org.br/ciclosoft/id/9. Acesso em: 24 de março de 2019.

DAGNINO, Ricardo de Sampaio; JOHANSEN, Igor Cavallini. Características demográficas e socioeconômicas dos catadores de material reciclável no Brasil segundo o Censo Demográfico 2010. In: AMARO, Aurélio Bandeira. (Org.); VERDUM, Roberto. (Org.). Política nacional de resíduos sólidos e suas interfaces com o espaço geográfico: entre conquistas e desafios. 1. ed. Porto Alegre: POSGEA/IGEO/UFRGS - Letra 1, 2016. v. 1. 397 p. (p. 249-270). Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/147901. Acesso em: 24 de março de 2019.

FARIAS, Bruno Cesar Fernandez. Gestão de resíduos sólidos domiciliares em Rio Grande/RS: sistema de coleta seletiva. Dissertação de Mestrado (POSGEA/UFRGS). Porto Alegre:2013. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/101421. Acesso em: 24 de março de 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍTICA (IBGE). Atlas do Censo Demográfico, 2010. 2010. Disponível em: http://censo2010.ibge.gov.br/apps/atlas/. Acessado em: 15/09/2018.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Diagnóstico sobre os catadores de resíduos sólidos. 2012. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_ content&view=article&id=15435. Acesso em: 24 de março de 2019.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Situação Social das Catadoras e dos Catadores de Material Reciclável e Reutilizável. 2013. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=20986&Item9. Acesso em: 24 de março de 2019.

MARTÍNEZ ALIER, Joan. O Ecologismo dos Pobres: Conflitos Ambientais e Linguagens de Valoração. [tradutor Maurício Waldman]. – 2. ed., 1ª reimpressão. – São Paulo: Contexto, 2014.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL (MDR). SECRETARIA NACIONAL DE SANEAMENTO (SNS). Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento: Diagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos – 2017. 2019. Disponível em: http://www.snis.gov.br/diagnostico-residuos-solidos/diagnostico-rs-2017. Acesso em: 24 de março de 2019.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO (MTE). Classificação Brasileira de Ocupações (CBO). 5192: Trabalhadores da coleta e seleção de material reciclável. 2019. Disponível em: http://www.mtecbo.gov.br/cbosite/pages/pesquisas/BuscaPorTituloResultado.jsf. Acesso em 24 de março de 2019.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. Os (Des) Caminhos do Meio Ambiente. 14º ed. - São Paulo: Contexto, 2006.

VERDUM, Roberto. O ciclo do papel, da coleta ao processamento: personagens e estrutura. Trabalho de Graduação em Bacharelado em Geografia pelo Departamento de Geografia do Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 1988.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.