O governo bio/necropolítico do agronegócio e os impactos dos agrotóxicos sobre os territórios de vida Guarani e Kaiowá

Marcos Mondardo

Resumo

No Mato Grosso do Sul os Guarani e Kaiowá vêm lutando contra a intoxicação por agrotóxicos que se manifesta na forma de ataques químicos, pulverização de pesticidas e envenenamento das águas. O objetivo deste texto é compreender os conflitos territoriais na luta dos povos indígenas pelo retorno aos territórios tradicionalmente ocupados, os tekoha. Parte-se de levantamento bibliográfico e documental, de observação, descrição e entrevistas em aldeias e áreas de retomadas. Os resultados e discussões deste texto se estruturam a partir de três categorias criadas: 1) Ecologia política numa perspectiva indígena: os territórios de vida; 2) Governo bio/necropolítico do agronegócio contra os povos indígenas; e, 3) Ataques químicos, pulverização de pesticidas e envenenamento das águas. As comunidades mais vulneráveis e afetadas por agrotóxicos são aquelas situadas em acampamentos de áreas de retomadas de antigos tekoha, espremidas entre fazendas e às margens de importantes rodovias. A existência dos indígenas é atacada por agrotóxicos, águas de rios e córregos são contaminados por pesticidas usados por tratores nas plantações e/ou pulverizações feitas por aviões transpassaram os limites das fazendas e são jogados sobre as terras e os corpos indígenas, além dos ataques químicos que tentam exterminar os povos em luta pela demarcação dos territórios.

Palavras-chave

conflitos; agrotóxicos; Guarani; kaiowá; tekoha.

Texto completo:

PDF

Referências

AGAMBEN, G. Estado de exceção. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2004.

BARBOSA, L. O calvário das crianças Guarani Kaiowá contaminadas por agrotóxicos. Caarapó (MS) . 05/09/2019 Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2019/08/02/politica/1564773673_055738.html - acesso em 15/08/2019.

CIMI. A Violência Contra os Povos Indígenas no Brasil – Relatório 2003-2005. Brasil, 2006.

CIMI. Violência Contra os Povos Indígenas no Brasil – Relatório 2006-2007. Brasil, 2008.

CIMI. Violência Contra os Povos Indígenas no Brasil – Relatório 2008. Brasil, 2009.

CIMI. Violência Contra os Povos Indígenas no Brasil – Relatório 2009. Brasil, 2010.

CIMI. Relatório Violência Contra os Povos Indígenas no Brasil – Dados de 2010. Brasil, 2011.

CIMI. Relatório Violência Contra os Povos Indígenas no Brasil – Dados de 2011. Brasil, 2012.

CIMI. Relatório Violência Contra os Povos Indígenas no Brasil – Dados de 2012. Brasil, 2013.

CIMI. Relatório Violência Contra os Povos Indígenas no Brasil – Dados de 2013. Brasil, 2014.

CIMI. Relatório: Violência contra os Povos Indígenas no Brasil – Dados de

Brasil, 2018.

CIMI. Retomadas Guarani Kaiowá acumulam ataques recentes com destruição, feridos e morte. 18/09/2019. Disponível em https://cimi.org.br/2019/09/no-coracao-das-trevas-retomadas-guarani-kaiowa-acumulam-ataques-com-destruicao-feridos-e-morte/ - acesso em 20/09/2019.

Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Brasil). Tekoha: direitos dos Povos Guarani e Kaiowá: visita do Consea ao Mato Grosso do Sul. Brasília: Presidência da República, 2017.

DARDOT, P. e LAVAL, C. Commun: essai sur la révolution au XXIe siècle. Paris, La Découverte, 2014.

ELDEN, S. The birth of territory. Chicago: Chicago University Press, 2013.

ESCOBAR, A. Territórios de diferencia: la ontologia política de los “derechos al território”. Cuadernos de Antropologia Social, n. 41, 2015.

FOUCAULT, M. Naissance de la Biopolitique. Paris: Gallimard-Seuil, 2004.

FUNAI. Terras indígenas. Terra Indígena Dourados Amambaipeguá. 2019.

Disponível em: . Acesso em: 11/01/2019.

GRAHAM, S. Cities Under Siege: The new military Urbanism. London/New York: Verso, 2011.

GRIGORI, P. Agrotóxico foi usado “como agente laranja” em comunidades indígenas, diz procurador. 26 de agosto de 2019. Disponível em https://apublica.org/2019/08/agrotoxico-foi-usado-como-agente-laranja-em-comunidades-indigenas-diz-procurador/ - acesso em 15/09/2019.

GUDYNAS, E. Estado compensador y nuevos extractivismos. Nueva Sociedad, v. 237, p.128-146. 2012.

HAESBAERT, R. De categoria de análise a categoria da prática: A multiplicidade do território numa perspectiva latino-americana. María Rosa Carbonari [et al.]; coordinación general de Fania Fridman; Luciana Alem Gennari; Sandra Lencioni. Políticas públicas e territórios: onze estudos latino-americanos. 1a ed. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO, 2018.

HARVEY, D. O novo imperialismo. 1. ed. Tradução de Adail Sobral e Maria Stela Gonçalves. São Paulo: Loyola, 2004.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Instrução Normativa nº 02/2008. Disponível em http://www.adapar.pr.gov.br/arquivos/File/GSV/Agrotoxicos/lf_4_IN_2_de_2008.pdf - acesso em 16/09/2019.

Ministério Público Federal (MPF). Juiz livra proprietários rurais de acusação de pulverização de agrotóxicos sobre índios e nega multa de R$ 286 mil. 14/08/2019 Disponível em http://www.mpf.mp.br/ms/sala-de-imprensa/noticias-ms/juiz-livra-proprietarios-rurais-de-acusacao-de-pulverizacao-de-agrotoxicos-sobre-indios-e-nega-multa-de-r-286-mil - acesso em 15/09/2019.

MBEMBE, A. Necropolítica. Melusina, Tenerife, 2011.

MBEMBE, A. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. São Paulo: n-1 edições, 2018.

PORTO, M. F. Injustiça ambiental no campo e nas cidades: do agronegócio químico dependente às zonas de sacrífício urbana. In: PORTO, M. F; PACHECO, T.; LEROY, J. P. (Orgs). Injustiça Ambiental e Saúde no Brasil: o mapa de conflitos. Editora FIOCRUZ, 2013.

PORTO-GONÇALVES, C. W. Da Geografia às geo-grafias: um mundo em busca de novas territorialidades. In: SADER, E. CECENA, A. E. (Orgs.). La Guerra Infinita-hegemonia y terro mundial. 1. ed. Buenos Aires: CLACSO, 2002.

SANTOS, M. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico- informacional. 3 ed. Hucitec: São Paulo, 1997.

WACQUANT, L. Punir os pobres: a nova gestão da miséria nos Estados Unidos. 1. ed. Tradução de Sérgio Lamarão. Rio de Janeiro: Revan, 2007.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.