Breve história da globalização ocidental e seus custos ambientais

Arthur Soffiati

Resumo


Neste artigo, pretendemos efetuar uma reflexão sobre o processo de globalização da atualidade. Reco­nhecemos globalizações promovidas por estilos de vida que se alastraram pelo mundo sem dominação política, econômica e cultural, como o das sociedades paleolíticas e neolíticas, que se diversificavam à medida em que se disseminavam pelo mundo. Várias civilizações também se globalizaram parcialmente. A maior e mais duradoura de todas antes do mundo ocidental foi a da civilização helênica, expressa no Império Romano. Todas elas causaram impactos sociais, culturais e ambientais. Nenhuma, porém, tem sido tão prolongada em tão impactante como a globalização da civilização ocidental, tanto no espaço como no tempo. Como nenhuma, seus impactos socioambientais têm sido causados pelo sistema econô­mico capitalista. No presente artigo, procuramos examinar as transformações do ambiente natural em todo o planeta sob a pressão do modo de produção capitalista, assim como a constituição de uma nova ciência, que só pode ser tratada, pela complexidade de seu objeto, de forma transdisciplinar; no mínimo de forma multidisciplinar.


Palavras-chave


Ocidente, capitalismo, globalização, ambiente natural

Texto completo:

PDF

Referências


ALMADA, André Álvares. Tratado breve dos rios de Guiné e Cabo Verde. Porto: Typographia Commercial Portuense, 1841.

ANDERSON, Perry. Passagens da Antiguidade ao Feudalismo. Porto: Afrontamento, s/d.

BLOCH, Marc. A sociedade feudal. Lisboa: Edições 70, 1982.

CADAMOSTO, Luís de e SINTRA, Pedro de. Viagens. Lisboa: Academia Portuguesa da História, 1948.

CASTRO FARIA: A Colônia em movimento: fortuna e família no cotidiano colonial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.

COELHO, Francisco de Azevedo (atribuído). Descrição da costa da Guiné desde Cabo Verde até Serra Leoa com todas as ilhas e rios que os brancos navegam (1669). In: PERES, Damião (introdução e anotações). Duas descrições seiscentistas da Guiné. Lisboa: Ministério do Ultramar, 1953.

COELHO, Francisco de Lemos. Descrição da costa de Guiné e situação de todos os portos e rios dela e roteiro para se poderem navegar todos seus rios (1684). In: PERES, Damião (introdução e anotações). Duas descrições seiscentistas da Guiné. Lisboa: Academia Portuguesa de História, 1953.

CROSBY, Alfred W. Imperialismo ecológico – a expansão biológica da Europa: 900-1900. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

DIAS, Ondemar e NETO, Jandira. Pesquisas arqueológicas no sítio do Caju. Campos dos Goytacazes: Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima, 2014.

DONELHA, André. Descrição da Serra Leoa e dos rios de Guiné e do Cabo Verde. Lisboa: Junta de Investigações Científicas do Ultramar, 1977.

FELICIANO, José Fialho e NICOLAU, Victor Hugo (edição e notas). Memórias de Sofala: etnografia e história das identidades e da violência entre diferentes poderes no centro de Moçambique – séculos XVIII e XIX. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1998.

FRAGOSO, João Luiz Ribeiro e FLORENTINO, Manolo. O arcaísmo como projeto: mercado atlântico, sociedade agrária e elite mercantil no Rio de Janeiro, c. 1790-c.1840. Rio de Janeiro: Diadorim, 1993.

FRAGOSO, João Luiz Ribeiro. Homens de grossa aventura: acumulação e hierarquia na praça mercantil do Rio de Janeiro (1790-1830). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1992.

FURTADO, Celso. O mito do desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.

GRUZINSKI, Serge. As quatro partes do mundo: história de uma mundialização. Belo Horizonte/São Paulo: UFMG/Edusp, 2014.

LE GOFF, Jacques. A história deve ser dividida em pedaços. São Paulo: Unesp, 2015.

LIMA, Tania Andrade e SILVA, Regina Coeli Pinheiro da. Zoo-arqueologia: alguns resultados para a pré-história da ilha de Santana. In: Revista de Arqueologia 2 (2). Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, jul/dez de 1984.

LIVERANI, Mario. Antigo Oriente: história, economia e sociedade. São Paulo: Edusp, 2016.

LOVELOCK. James. As eras de Gaia  a biografia da nossa Terra viva. Rio de Janeiro: Campus, 1991;

LOVELOCK. James. Gaia  um novo olhar sobre a vida na Terra. Lisboa: Edições 70, s/d.

MARX, Karl. O Capital, Livro Primeiro, Volume II. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, s/d.

MORIN, Edgar. Fraternidade: para resistir à crueldade do mundo. São Paulo: Palas Athena, 2019.

MAZOYER, Marcel e ROUDART, Laurence. História das agriculturas no mundo: do neolítico à crise contemporânea. São Paulo: Unesp; Brasília: NEAD, 2010.

NEVES, Eduardo Góes. Não existe neolítico ao sul do Equador: as primeiras cerâmicas amazônicas e sua falta de relação com a agricultura. In: BARRETO, Cristiana, LIMA, Helena Pinto e BETANCOURT, Carla Jaimes (org.). Cerâmicas arqueológicas da Amazônia: rumo a uma nova síntese. Belém: IPHAN/Ministério da Cultura, 2016.

GAMA, Vasco da. O descobrimento das Índias: o diário de Vasco da Gama. Rio de Janeiro: Objetiva, 1998.

PEREIRA, Duarte Pacheco. Esmeraldo de Situ Orbis. Lisboa: Tipografia Universal, 1905.

RAWORTH, Kate. Economia Donut: uma alternativa ao crescimento a qualquer custo. Rio de Janeiro: Zahar, 2019.

TOYNBEE, Arnold J. Helenismo. História de uma civilização. Rio de Janeiro: Zahar, 1969.

VEIGA, José Eli da. O Antropoceno e a ciência do sistema Terra. São Paulo: Editora 34, 2019.

WALLERSTEIN, Immanuel. O sistema mundial moderno - vol. 1: A agricultura capitalista e as origens da economia-mundo europeia no século XVI. Porto: Afrontamento, s/d.

WALLERSTEIN, Immanuel. O sistema mundial moderno vol. 2: O mercantilismo e a consolidação da economia-mundo europeia. Porto: Afrontamento, s/d.

WALLERSTEIN, Immanuel. O sistema mundial moderno vol. 3: A segunda era de grande expansão da economia-mundo capitalista (1600-1750). Porto: Afrontamento, s/d.

ŽIZEK, Slavoj. Em defesa das causas perdidas. São Paulo: Boitempo, 2011.




DOI: https://doi.org/10.48075/amb.v2i1.24225

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 AMBIENTES: Revista de Geografia e Ecologia Política

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

AMBIENTES: Revista de Geografia e Ecologia Política

ISSN: 2674-6816

Rede de Pesquisadores em Geografia (Socio)Ambiental/RP-G(S)A

e UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Programa de Pós-Graduação em Geografia

Rua Maringá, 1200

Francisco Beltrão – Paraná - CEP: 85601-670

| revista.ambientes@unioeste.br |