Articulando ambiente, território e lugar: A luta por justiça ambiental e suas lições para a epistemologia e a teoria geográficas

Marcelo Lopes de Souza

Resumo


Nas últimas quatro décadas, a distância entre geógrafos “humanos” e “físicos” tem contribuído para o prolongamento e até o agravamento de vários preconceitos: entre eles, podemos citar a desvalo­rização ou insuficiente valorização, por parte dos geógrafos “humanos”, do conceito de ambiente (equi­vocadamente reduzido, quase sempre, à ideia de um “ambiente natural”, quando na verdade se trata de um conceito potencialmente holístico e integrador), e o desinteresse ou ceticismo a propósito da cons­trução de objetos de conhecimento (objetos epistêmicos) “híbridos”, que combinem conhecimentos ori­undos das ciências sociais e naturais. Além disso, a capacidade dos geógrafos de participar de vários de­bates públicos - da mudança climática global e seus impactos sócio-espaciais à produção social de desas­tres ambientais - e de granjear reconhecimento e visibilidade como atores científicos relevantes sobre essas questões tem sido severamente restringida. Tudo isso porque, nas décadas de 1970 e 1980, a esma­gadora maioria dos geógrafos que influenciaram e protagonizaram a “virada crítica” ou “radical” da dis­ciplina (que foi, essencialmente, uma virada marxista, uma vez que as contribuições libertárias foram lar­gamente negligenciadas e marginalizadas) erroneamente acreditou que para alcançar profundidade e densidade em termos de análise crítica da sociedade seria conveniente ou necessário voltar as costas ao conhecimento de processos e fatores geoecológicos, como se estes fossem, em última instância, desim­portantes ou um mero diversionismo.

 

Começando nos Estados Unidos na década de 1980, e depois fazendo-se presentes também na América Latina e em outras partes do mundo, debates, conflitos e ativismos em torno da justiça ambiental têm tacitamente desafiado os geógrafos a repensarem a fragmentação intradisciplinar com a qual a mai­oria parece viver confortavelmente (ou mostrando apenas um desconforto retórico, de tempos em tem­pos e sem consequências práticas). Dentro de um quadro de resistência e práxis emancipatória, os atores comprometidos com a luta contra a injustiça ambiental articulam, em seu cotidiano, as ideias de ambiente (o contexto sócio-natural em que vivem), território (a projeção espacial das relações de poder) e lugar (o tecido das identidades sócio-espaciais); mas é precisamente essa articulação fundamental que, no en­tanto, como está implícito no que foi dito no parágrafo anterior, os geógrafos geralmente não têm con­seguido apreciar adequadamente. Além disso, esses atores têm sido frequentemente forçados pelas cir­cunstâncias não apenas a combinar conhecimento vernacular (dito “local”) com conhecimento científico, mas também, no que diz respeito a este último, a perceber a necessidade de coletar informações sobre questões relacionadas a processos e problemas de ordem geoquímica, ecotoxicológica, geotécnica etc., a fim de ser melhor informados (e, portanto, politicamente mais eficazes) sobre coisas como os riscos à saúde causados por contaminantes ambientais, riscos de deslizamentos, desmoronamentos e outros de­sastres, e assim sucessivamente.

 

O que a luta pela justiça ambiental fortemente exemplifica, em poucas palavras, é a necessidade de os geógrafos entenderem a importância de construir e valorizar objetos de conhecimento “híbridos” para lidar com problemas complexos. A menos que compreendam esse ponto, é provável que não apenas sua relevância científica, mas sobretudo sua relevância social, permaneçam desnecessariamente limita­das (ou até mesmo sofram atrofia), especialmente dada a enorme magnitude, o amplo alcance e a ele­vada visibilidade política dos desafios ambientais contemporâneos.


Palavras-chave


ambiente; território; lugar; justiça ambiental; Geografia.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor W. Introdução à controvérsia sobre o positivismo na Sociolo¬gia alemã. In: LUPARIE, Zeljko; ARANTES, Otília B. Fiori (orgs.): Benjamin/Horkheimer/Adorno/Habermas: Textos escolhidos. São Paulo: Abril Cultural, pp. 215-263, 1975.

AUYERO, Javier; SWISTUN, Débora. Inflamable: Estudio del sufrimiento ambiental. Buenos Aires e outros lugares: Paidós, 2008.

CAMPOS, Mauricio. O discurso técnico do risco nas tentativas recentes de remo¬ções forçadas de favelas no Rio de Janeiro. II Seminário Nacional sobre Urbanização de Favelas (URBFAVELAS), 2016.

DONALDSON, Sue; KYMLICKA, Will. Zoopolis: A Political Theory of Animal Rights. Oxford e outros lugares: Oxford University Press, 2011.

FIOCRUZ [Fundação Osvaldo Cruz]. Análise atualizada dos problemas socioambien-tais e de saúde decorrentes da instalação e operação da empresa TKCSA. Rio de Ja¬neiro: FIOCRUZ, 2014.

GAISO, Facundo del. Contaminación por plomo en niños de las villas de la Ciudad Autónoma de Buenos Aires. Buenos Aires: Auditoría General de la Ciudad de Buenos Aires, 2014.

HABERMAS, Jürgen. Teoria analítica da ciência e dialética: Contribuição à polêmica entre Popper e Adorno. In: LUPARIE, Zeljko; ARANTES, Otília B. Fiori (orgs.): Benjamin/Horkheimer/Adorno/Habermas: Textos escolhidos. São Paulo: Abril Cultural, pp. 267-289, 1975.

HORKHEIMER, Max. Teoria tradicional e teoria crítica. In: LUPARIE, Zeljko; ARANTES, Otília B. Fiori (orgs.): Benjamin/Horkheimer/Adorno/Habermas: Textos escolhidos. São Paulo: Abril Cultural, pp. 117-154, 1975a.

HORKHEIMER, Max. Filosofia e teoria crítica. In: LUPARIE, Zeljko; ARANTES, Otília B. Fiori (orgs.): Benjamin/Horkheimer/Adorno/Habermas: Textos escolhidos. São Paulo: Abril Cultural, pp. 155-161, 1975b.

HORKHEIMER, Max; ADORNO, Theodor W. Dialektik der Aufklärung: Philosophische Fragmente. Frankfurt (Meno): Fischer, 2006 (1947).

LASCHEFSKI, Klemens Augustinus. Rompimento de barragens em Mariana e Brumadinho (MG): Desastres como meio de acumulação por despossessão. AMBIENTES: Revista de Geografia e Ecologia Política, v. 2, n 1, pp. 98-143, 2020.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: Ensaio de Antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994 (1991).

LAVE, Rebecca et al. (orgs.). The Palgrave Handbook of Critical Physical Geography. Londres: Palgrave, 2018.

LERNER, Steve. Sacrifice Zones: The Front Lines of Chemical Exposure in the United States. Cambridge (MA): The MIT Press, 2010.

LUKÁCS, György. Geschichte und Klassenbewußtsein: Studien über marxistische Dialektik. (Texto disponibilizado pela KritischesNetzwerk). 1923. On-line (acesso em 05/04/2017): http://www.kritisches-netzwerk.de/sites/default/files/Georg%20Lukacs%20-%20GESCHICHTE%20UND%20KLASSENBEWUSSTSEIN%20-%20Studien%20%C3%BCber%20marxistische%20Dialektik%20(1923)%20-%20275%20Seiten.pdf). (Outras edições consultadas: History and Class Consciousness: Studies in Marxist Dialectics. Cambridge [MA]: The MIT Press, 1971; História e consciência de classe: Estudos sobre a dialética marxista. São Paulo: Mar¬tins Fontes, 2003.)

MERLINSKY, Gabriela. Política, derechos y justicia ambiental: El conflicto del Ria-chuelo. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2013.

MILANEZ, Bruno et al. A Estratégia Corporativa da Vale S.A.: Um modelo analítico para Redes Globais Extrativas. Versos  Textos para Discussão PoEMAS, v. 2, n 2, pp. 1-43, 2018.

MONTEIRO, Carlos Augusto de Figueiredo. Os geossistemas como elemento de integração na síntese geográfica e fator de promoção interdisciplinar na compre¬ensão do ambiente. Revista de Ciências Humanas, v. 14, n 19, pp. 67-101, 1996.

MONTEIRO, Carlos Augusto de Figueiredo. Geossistemas: A história de uma procura. São Paulo: Contexto, 2001.

OLIVEIRA, André A. B. de. Inventário das emissões atmosféricas na indústria siderúr-gica. Projeto de graduação em Engenharia submetido à Universidade Federal do Rio de Janeiro. On-line (acesso em 27/02/2020): http://monografi-as.poli.ufrj.br/monografias/monopoli10009328.pdf, 2014.

PACS [Instituto Políticas Alternativas para o Cone Sul]; JUSTIÇA GLOBAL. Violações de Direitos Humanos na Siderurgia: o caso TKCSA. Rio de Janeiro: PACS e Justiça Glo¬bal, 2017.

SANTOS, Rodrigo Salles Pereira dos; MILANEZ, Bruno. Neoextrativismo no Brasil? Uma análise da proposta do novo marco legal da mineração. Revista Pós: Ciências Sociais, v. 10, n 19, pp. 119-148, 2014.

SOUZA, Marcelo Lopes de. Os conceitos fundamentais da pesquisa sócio-espacial. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

SOUZA, Marcelo Lopes de. Proteção ambiental para quem? A instrumentalização da ecologia contra o direito à moradia. Mercator, v. 14, n 4, pp. 25-44, 2015.

SOUZA, Marcelo Lopes de. Consiliência ou bipolarização epistemológica? Sobre o persistente fosso entre as ciências da natureza e as da sociedade − e o papel dos geógrafos. In: SPO¬SITO, Eliseu S. et al. (orgs.): A diversidade da Geografia brasileira: Escalas e dimen¬sões da análise e da ação. Rio de Janeiro: Consequência, pp. 13-56, 2016a.

SOUZA, Marcelo Lopes de. Urban eco-geopolitics: Rio de Janeiro’s paradigmatic case and its global context. City, v. 20, n 6, pp. 779-799, 2016b.

SOUZA, Marcelo Lopes de. Por uma Geografia libertária. Rio de Janeiro: Consequência, 2017.

SOUZA, Marcelo Lopes de. Quando o trunfo se revela um fardo: Reexaminando os percalços de um campo disciplinar que se pretendeu uma ponte entre o conhecimento da natureza e o da sociedade. Geousp  Espaço e Tempo, v. 22, n 2, pp. 274-308, 2018.

SOUZA, Marcelo Lopes de. Ambientes e territórios: Uma introdução à Ecologia Política. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2019a.

SOUZA, Marcelo Lopes de. O que é a Geografia Ambiental? AMBIENTES: Revista de Geografia e Ecologia Política, v. 1, n 1, pp. 14-37, 2019b.

STOCHERO, Tahiane. Vale não aceita reivindicações de emergência e revolta mo-radores atingidos por rompimento de barragem em Brumadinho. G1 (Globo.com), 5 de fevereiro de 2019. On-line (acesso em 22/12/2019): https://g1.globo.com/mg/mi¬nas-gerais/noticia/2019/02/05/vale-nao-aceita-reivindicacoes-de-emergencia-e-re¬volta-moradores-atingidos-por-rompimento-de-barragem-em-brumadinho.ghtml, 2019.

SWYNGEDOUW, Erik. Social Power and the Urbanization of Water: Flows of Power. Oxford e outros lugares: Oxford University Press, 2004.

TAVARES, Thiago Roniere Rebouças. Examinando a injustiça ambiental a partir da contaminação do ar e de inundações nos arredores da Companhia Siderúrgica do Atlântico/Ternium, às margens da Baía de Sepetiba (Rio de Janeiro). AMBIENTES: Revista de Geografia e Ecologia Política, v. 1, n 2, pp. 211-251, 2019.

THRIFT, Nigel. The future of geography. Geoforum, n 33, pp. 291-298, 2002.

WALKER, Peter. Political ecology: Where is the ecology?. Progress in Human Geography, v. 29, n 1, pp. 73-82, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 AMBIENTES: Revista de Geografia e Ecologia Política

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

AMBIENTES: Revista de Geografia e Ecologia Política

ISSN: 2674-6816

Rede de Pesquisadores em Geografia (Socio)Ambiental/RP-G(S)A

e UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Programa de Pós-Graduação em Geografia

Rua Maringá, 1200

Francisco Beltrão – Paraná - CEP: 85601-670

| revista.ambientes@unioeste.br |