Uso de tecnologias digitais em pesquisas de opinião: discussões sobre o componente afetivo do letramento estatístico a partir do modelo de Iddo Gal

Felipe Júnio de Souza Oliveira, Diogo Alves de Faria Reis

Resumo

Resumo: Neste artigo, fizemos um recorte da pesquisa de mestrado intitulada “Letramento estatístico na educação básica: o uso de tecnologias digitais em pesquisas de opinião” para apresentarmos e discutirmos alguns aspectos do componente afetivo do letramento estatístico, na perspectiva do modelo de Gal (2002). Nossas discussões estão ambientadas na realização de um projeto educativo de pesquisa de opinião, inspirado na metodologia do programa Nossa Escola Pesquisa Sua Opinião (Nepso), em que 16 alunos do 8º ano do ensino fundamental utilizaram tecnologias digitais (TD) como Whatsapp, Facebook e Excel para investigarem sobre uma temática que os interessasse e, com isso, desenvolvessem conhecimentos estatísticos. Em nosso processo de análise, percebemos, dentre outras coisas, que, numa aprendizagem estatística, o foco não pode ser só a própria Estatística, mas um conjunto de competências e habilidades, incluídas as estatísticas, que se relacionam aos interesses, necessidades, valores e práticas sociais das pessoas envolvidas.

Palavras-chave: Educação Estatística; Letramento Estatístico; Pesquisa de opinião; Nepso; Tecnologias Digitais.

Use of digital technologies in opinion surveys: discussions on the affective component of statistical literacy from the Iddo Gal's model

Abstract: In this paper, we present a part of the master's research entitled " Statistical literacy in basic education: the use of digital technologies in opinion surveys" to discuss some aspects of the affective component of statistical literacy, from the perspective of the Gal's (2002) model. Our discussions are subsidized by realization an educational project of opinion survey, inspired by the methodology of the program Nossa Escola Pesquisa Sua Opinião (Nepso), in which 16 students of 8th year fundamental school useded digital technologies such as WhatsApp, Facebook and Excel to investigate on a theme that would interest them and, with that, develop statistical knowledge. In our process of analysis, we realize, among other things, that in a statistical learning, the focus can not be just Statistics itself, but a set of competences and abilities, including statistics, that relate to interests, needs, values and social practices of the people involved.

Keywords: Statistical Education; Statistical Literacy; Opinion Survey; Nepso; Digital Technologies.

Palavras-chave

Educação Estatística; Letramento Estatístico; Pesquisa de opinião; Nepso; Tecnologias Digitais

Texto completo:

PDF

Referências

ARAÚJO, D. A.; DEODATO, A. A. A pesquisa de opinião nas aulas de Matemática: reflexões sobre projetos desenvolvidos com alunos de 2º ciclo. In: ENCONTRO MINEIRO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 7., 2015, São João Del-Rei. Anais... São João Del-Rei: SBEM-MG, 2015.

BACICH, L.; TANZI NETO, A.; TREVISANI, F. M. Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. In: BACICH, L.; TANZI NETO, A.; TREVISANI, F. M. (org.). Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. 1. ed. Porto Alegre: Penso, 2015. p. 47-65.

BORBA, M. C.; SILVA, R. S. R.; GADANIDIS, G. Fases das tecnologias digitais em Educação Matemática: sala de aula e internet em movimento. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular – BNCC. Brasília: Secretaria de Educação Básica, 2017.

CAMPOS, C. R.; WODEWOTZKI, M. L. L.; JACOBINI, O. R. Educação Estatística: teoria e prática em ambientes de modelagem matemática. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

CAZORLA, I. M.; KATAOKA, V. Y; SILVA, C. B. Trajetória e perspectivas da Educação Estatística no Brasil: um olhar a partir do GT12. In: LOPES, C. E.; COUTINHO, C. Q. S.; ALMOULOUD, S. A. (org.). Estudos e reflexões em educação estatística. 1. ed. Campinas: Mercado de Letras, 2010. p. 19-44.

CAZORLA, I. M.; UTSUMI, M. C. Reflexões sobre o ensino de Estatística na Educação Básica. In: CAZORLA, I.; SANTANA, E. (org.). Do tratamento da informação ao letramento estatístico. 1. ed. Itabuna: Via Litterarum, 2010. p. 9-18.

CHANCE, B. et al. The role of technology in improving student learning of statistics. Technology Innovations in Statistics Education Journal, Los Angeles, v. 1, n. 1, 2007.

COSTA, M. A. D.; LOPES, M. R. C. M. A Tecnologia da Informação e a Estatística no Ensino Fundamental. Curitiba, 2008. Disponível em: www.diaadiaeducacao.pr.gov.br. Acesso em: 22 maio. 2016.

ESTEVAM, E. J. G. (Res) significando a educação estatística no ensino fundamental: análise de uma sequência didática apoiada nas tecnologias de informação e comunicação. 2010. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2010.

ESTEVAM, E. J. G.; KALINKE, M. A. Recursos tecnológicos e ensino de estatística na educação básica: um cenário de pesquisas brasileiras. Revista Brasileira de Informática na Educação, Porto Alegre, v. 21, n. 2, p. 104-117. 2013.

FARIA, J. B. et al. NEPSO das águas: pesquisa de opinião no estudo de temáticas relacionadas à água. In: UFMG JOVEM, 14., 2013, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: UFMG, 2013.

FIORENTINI, D.; LORENZATO, S. Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos. 1. ed. Campinas: Autores Associados, 2006.

GAL, I. Adult’s statistical literacy: meanings, components, responsibilities. International Statistical Review, Haia/ Netherlands, v. 70, n. 1, p. 1-25, apr. 2002.

GOULART, S. M. G. A Matemática em uma escola organizada por ciclos de formação humana. 2005. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2005.

LIMA, A. L. D’ I. et al. NEPSO: manual do professor. 3. ed. São Paulo: Global, 2010.

LOPES, C. E. O ensino da estatística e da probabilidade na educação básica e a formação dos professores. Cadernos Cedes, Campinas, v. 28, n. 74, p. 57-73, jan./abr. 2008.

LOPES, C. E. Os desafios para Educação Estatística no currículo de Matemática. In: LOPES, C. E.; COUTINHO, C. Q. S.; ALMOULOUD, S. A. (org.). Estudos e reflexões em educação estatística. 1. ed. Campinas: Mercado de Letras, 2010a. p. 47-64.

LOPES, C. E. A educação estatística no currículo de matemática: um ensaio teórico. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 33., 2010b, Caxambu/MG. Anais... Caxambu/MG: Anped, 2010. p. 1-15.

NEPSO. Site do Programa NEPSO. Disponível em: . Acesso em: 07 de maio de 2017.

OLIVEIRA, F. J. S. Abordagens pedagógicas no tratamento da informação. Revista Brasileira de Educação Básica, Belo Horizonte, v. 3, n. 8, p. 01-09, abr./jun. 2018.

OLIVEIRA, F. J. S. Letramento estatístico na educação básica: o uso de tecnologias digitais em pesquisas de opinião. 2019. Dissertação (Mestrado em Educação e Docência) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2019.

PORCIÚNCULA, M. M. S.; SAMÁ, S. Projetos de aprendizagem: uma proposta pedagógica para a sala de aula de Estatística. In: SAMÁ, S.; PORCIÚNCULA, M. M. S. (org.). Educação Estatística: ações e estratégias pedagógicas no ensino básico e superior. 1. ed. Curitiba: CRV, 2015. p. 133-141.

SANTOS, R. M. Estado da arte e história da pesquisa em educação estatística em programas brasileiros de pós-graduação. 2015. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015.

SILVA, E. L.; MENEZES, E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4. ed. Florianópolis: UFSC, 2005.

SOARES, M. Letramento em ensaio – Letramento: como definir, como avaliar, como medir. In: SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 1998. p. 61-125.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.