A PERCEPÇÃO DO PROFISSIONAL DE SAÚDE DIANTE DO ÓBITO INFANTIL

Jennyfer Katheryne Guedes, Sthefanny Guedes, Franciele Ani Caovilla Follador, Ana Paula Vieira, Alaba Cristina Pereira, Roberto Shigueyasu Yamada, Lirane Elize Defante Ferreto

Resumo


A presente investigação teve como objetivo analisar a perspectiva, reações e sentimentos dos profissionais de saúde a respeito dos óbitos infantis. Pesquisa qualitativa e descritiva desenvolvida na área de abrangência da 8ª. Regional de Saúde de Francisco Beltrão junto aos profissionais de saúde na área de cobertura de mães que tiveram perda infantil. Cinco profissionais, que em algum momento tiveram contato com o infante que foi a óbito, foram entrevistados através de um questionário semiestruturado norteado por pontos que abordavam a concepção em relação à morte. Identificou-se na análise três categorias: 1) percepção da morte e do morrer; 2) da formação acadêmica à prática profissional e 3) evocações e crenças.  Conclui-se que existe a necessidade de implantação de política que preparem os profissionais da saúde para lidar com a morte e o morrer a fim de que a arte de lidar com seres humanos seja menos penoso, triste e estressante.

 


Palavras-chave


morte; mortalidade infantil; profissionais de saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, R (2003a). Na morada das palavras. Campinas, SP: Papirus.

Alves, R. (2003b). Sobre a morte e o morrer. São Paulo: Caderno Sinapse. Folha de S. Paulo.

Angerami-Camon, V. (1998). A Psicologia no Hospital. São Paulo: Traço.

Basso, C. G., Neves, E. T., & Silveira, A. da. (2012) Associação entre realização de pré-natal e morbidade neonatal. Texto contexto - enferm., 21(2), 269-276. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010407072012000200003&lng=pt&nrm=iso.

Brasil, M. A. A (2012). Psicologia médica – a dimensão psicossocial da prática médica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Combinato, D. S. & Queiroz, M. de S. (2006). Morte: uma visão psicossocial. Estud. psicol., 11(2), 209-216. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413294X2006000200010&lng=en&nrm=iso.

Capra, F (1982). O ponto de mutação. São Paulo: Cutrix.

Costa, D. A. da (2009). Humanidade. Mitos, desejos, sonhos e esperanças. Joinville: Clube de autores.

Cruz, C., Garofalo, R. da C., Sabino, T., & Nascimento, M. A. de L. (2000). O "pacote" e a enfermagem: análise crítica de uma cena de morte. Rev.Bras. Enferm., 53(3), 467-471.

D'Assumpção, E. A (1998). Comportar-se fazendo bioética: para quem se interessa pela ética. Rio de Janeiro: Vozes.

De Marco, M. A. (2012). Psicologia médica: abordagem integral do processo saúde-doença. Porto Alegre: Artmed.

Ferreira, A.M.Y. & Wanderley, K. da S. (2012) Sobre a morte e o morrer: um espaço de reflexão. Revista Temática Kairós Gerontologia, 15(12), 295-307. Disponível em http://www.revistas.pucsp.br/index.php/kairos/article/ download/20038/14905.

Ferreira, G. C. (2012). Morte: o vivido da equipe de enfermagem cirúrgica. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG.

Fischer, J. M. K. et al. (2007). Manual de Tanatalogia. Curitiba: Conselho Federal de Psicologia do Paraná.

Germano, R. M. A ética e o ensino de ética na Enfermagem do Brasil. São Paulo: Cortez, 1993. 141 p.

Goulart, L. M. H. de F., Somarriba, M. G., & Xavier, C. C (2005). A perspectiva das mães sobre o óbito infantil: uma investigação além dos números. Cad. Saúde Pública, 21(3), 715-723. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2005000300005&lng=en&nrm=iso.

Haddad, D. R. S (2006). A morte e o processo de morrer de crianças em terapia intensiva pediátrica: vivência do enfermeiro. Dissertação de Mestrado, Curso de Mestrado da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG.

Kubler-Ross, E. (1998). Sobre a morte e o morrer: São Paulo: Martins Fontes.

Lima, V. R. & Buys R (2008). Educação para a morte na formação de profissionais de Saúde. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 60(3), 52-63.

Martins, M. C. F. N. (1997). Relação profissional-paciente: subsídios para profissionais de saúde. Psychiatry On-line Brazil, 2(3). Disponível em: https://fanut.ufg.br/up/128/o/RELACAO_PROFISSIONAL_PACIENTE.pdf

Mello, T. B. (2013). Comunicação de más notícias: experiência de mães de crianças e adolescentes com câncer. Dissertação de Mestrado. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP.

Minayo, M. C. S (2007). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec.

Oliveira, P. P. de, Amaral, J. G., Viegas, S. M. da F., & Rodrigues, A. B. (2013). Percepção dos profissionais que atuam numa instituição de longa permanência para idosos sobre a morte e o morrer. Ciênc. saúde coletiva, 18(9), 2635-2644. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232013000900018&lng=en&nrm=iso.

Pampolha, S. S. A. (2013) “Criança não deveria morrer”: significados atribuídos por profissionais de saúde ao paliar crianças em iminência de morte. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Universidade Federal do Pará. Belém, PA.

Penna, C. M. M., Nova, L. S. V., & Barbosa, S. (1999). A morte e seus Significados: um estudo compreensivo com professores e alunos de enfermagem. Revista de Enfermagem, 5(9), 20-38.

Pincus, L. (1989). A família e a morte: como enfrentar o luto. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Rezende, A. M. de, Santos, G. F. dos, Caldeira, V. da P., & Magalhães, Z. R. (1995). Ritos de morte na lembrança de velhos. Revista Brasileira de Enfermagem, 48(1), 07-16.

Santos, G. C. dos, Cruz, T. T. da, Araujo, F. F. de, Gonçalves, F. M., & Almeida, A. C. V. de. (2010). Reflexões acerca do sentimento da equipe de enfermagem diante do processo morrer e morte da criança hospitalizada. Revista Rede de Cuidados em Saúde, 4(1), 1-13.

Santos, M. A. dos & Hormanez, M. (2013). Atitude frente à morte em profissionais e estudantes de enfermagem: revisão da produção científica da última década. Ciênc. saúde coletiva, 18(9), 2757-2768. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232013000900031&lng=en&nrm=iso.

Santos, S. S., Jesus, L. C., & Portella, S. D. C. (2013). A enfermagem e a abordagem da morte infantil: um estudo de trabalhos Qualis A. Revista Enfermagem Contemporânea, 2(1), 112-131.

SESA. A vigilância epidemiológica dos óbitos maternos e infantis e a atuação dos comitês de prevenção da mortalidade materna e infantil. Disponível em: http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/SPP_Arquivos/comite_mort_mat_infant/2boletim_epidemiologia.pdf.

Silva, A. L. L. Da & Ruiz, E. M. (2003) Cuidar, morte e morrer: significações para profissionais de Enfermagem. Estud. psicol. (Campinas), 20(1), 15-25. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2003000100002&lng=en&nrm=iso.

Silva, L. C. S. P (2007). Sentimentos de profissionais de enfermagem diante da morte de recém-nascidos em uma unidade de terapia intensiva. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, RN.

Trugilho, S.M. (2008). O ser sendo diante da morte: um estudo sobre a experiência de enfrentamento da morte por profissionais de saúde e suas aprendizagens [tese]. Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, ES.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Acta Elit Salutis

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.