Fatores inibidores e facilitadores na produção de ações coletivas em assentamentos de Reforma Agrária do MST

Miguel Ângelo Lazzaretti

Resumo


O artigo se insere no debate em torno do sentido atribuído a ação coletiva pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e na discussão proposta a respeito do tema pelo economista americano Mancur Olson. As ações coletivas na forma como o MST propõe, não tem conseguido conquistar a maioria dos assentados em seus assentamentos. Neste sentido, o artigo apresenta os fatores que inibem esta aceitação e/ou facilitam a mesma a partir dos pressupostos teórico-ideológicos do movimento.

Palavras-chave


Ação coletiva, MST, Assentamentos, Reforma Agrária

Texto completo:

PDF


Direitos autorais



Revista Tempo da Ciência



e-ISSN: 1981-4798 — ISSN: 1414-3089

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Campus de Toledo
Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais

Rua da Faculdade, 645 — Jardim La Salle
CEP: 85903-000 — Toledo-Paraná-Brasil

| revistatempodaciencia@yahoo.com.br |