A primeira greve dos professores do Paraná

Odirlei Manarin

Resumo


A pesquisa em andamento tem como objetivo investigar as condições de trabalho dos docentes da educação básica da rede pública do Paraná. Pode-se dizer que o estudo de uma categoria de trabalhadores(as) que vivem um paradoxo de condições materiais, sentimentais e simbólicas. Ou seja, ora respeitada, valorizada e reconhecida como necessária para a emancipação humana; ora questionada por onerar os cofres públicos, responsabilizada unicamente por não ofertar um ensino de qualidade e precarizada na remuneração e condições de trabalho. Neste sentido, pretende-se analisar as avaliações e as interpretações destes(as) trabalhadores(as) a partir das suas experiências concretas de vida e de trabalho. Em outras palavras, o que eles acham que são? Porém, precisa-se aprofundar para além destas questões, isto é, sair da aparência e mergulhar na essência que estrutura as contradições sociais em que estes sujeitos estão inseridos. Assim sendo, neste artigo pretende-se expor algumas hipóteses de trabalho, assim como apresentar e analisar as principais reivindicações da categoria e suas conquistas na greve de 1963, a partir das fontes da APP-Sindicato e do Departamento de Ordem Política e Social (DOPS).

Palavras-chave


Professores; condições de trabalho; greve; APP-Sindicato.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2018 Tempo da Ciência

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista Tempo da Ciência



e-ISSN: 1981-4798 — ISSN: 1414-3089

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Campus de Toledo
Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais

Rua da Faculdade, 645 — Jardim La Salle
CEP: 85903-000 — Toledo-Paraná-Brasil

| revistatempodaciencia@yahoo.com.br |