UMA CONVERSA COM O PASSADO E UMA PROJEÇÃO DE FUTURO: HISTÓRIA,VERISMO E DISTOPIA EM JOGOS VORAZES

Autores

  • Valdinei Arboleya

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v12i27.14064

Palavras-chave:

distopia, história, literatura juvenil.

Resumo


A literatura juvenil é recorrentemente apontada como gênero ligado à ideia de formação do jovem e marcado por incursões ao universo do maravilhoso e da utopia. Tais características são indiscutíveis, entretanto, enquanto arte, este gênero pode se abrir a outras formas de representação e de proposição estética que permitam distintas maneiras de recriação da realidade. Pautando-se neste argumento, objetiva-se, nesse estudo, analisar a obra Jogos Vorazes, de Suzanne Collins, na perspectiva do novo verismo e da distopia. Essas categorias se entrelaçam ao longo da trilogia, formando a base sobre a qual se desenrola a trama, que apresenta uma complexa realidade projetada no futuro, mas que, ao mesmo tempo, traz ressonâncias do passado. A análise aqui pretendida busca observar como a obra trabalha alguns elementos da distopia e como projeta um diálogo, por vezes minucioso, com aspectos da história antiga e com as relações sociais e culturais vigentes.

Downloads

Publicado

13-10-2016

Como Citar

ARBOLEYA, V. UMA CONVERSA COM O PASSADO E UMA PROJEÇÃO DE FUTURO: HISTÓRIA,VERISMO E DISTOPIA EM JOGOS VORAZES. Trama, [S. l.], v. 12, n. 27, p. 358–377, 2016. DOI: 10.48075/rt.v12i27.14064. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/trama/article/view/14064. Acesso em: 28 out. 2021.

Edição

Seção

Temas Livre