TRAJETÓRIA HISTÓRICA DAS COLEÇÕES LITERÁRIAS: CONCEITUAÇÕES PARA OS FORMATOS DE COLETÂNEAS SERIADAS E TEMÁTICAS

Autores

  • Humberto Fois-Braga

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v12i27.14530

Palavras-chave:

coleção literária, projeto editorial, estética da interrupção

Resumo


O artigo discute os traçados histórico-conceituais que fizeram emergir os projetos editoriais das coleções literárias, principalmente as que definimos como seriadas e temáticas. Para tal, após traçarmos as trajetórias de campo desses dois formatos, na sequência das discussões levaremos ambos ao confronto, para assim avaliarmos suas afinidades e discrepâncias. Vemos que as coletâneas estipulam um campo discursivo, cujos editores selecionam e hierarquizam em volumes aquelas obras que consideram legítimas representantes de uma totalidade temática a ser lida. Defendendo o conceito de fragmentação como a característica definidora das coleções, cremos que uma crítica literária, centrada na análise das obras lançadas em volumes, deverá levar em conta os dispositivos editoriais que constituem uma “estética da interrupção”.

Downloads

Publicado

13-10-2016

Como Citar

FOIS-BRAGA, H. TRAJETÓRIA HISTÓRICA DAS COLEÇÕES LITERÁRIAS: CONCEITUAÇÕES PARA OS FORMATOS DE COLETÂNEAS SERIADAS E TEMÁTICAS. Trama, [S. l.], v. 12, n. 27, p. 378–401, 2016. DOI: 10.48075/rt.v12i27.14530. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/trama/article/view/14530. Acesso em: 28 out. 2021.

Edição

Seção

Temas Livre