Uma conversa com o passado e uma projeção de futuro: história, verismo e distopia em Jogos Vorazes

Autores

  • Valdinei José Arboleya

Palavras-chave:

Distopia, história, literatura juvenil.

Resumo


A literatura juvenil é recorrentemente apontada como gênero ligado à ideia de formação do jovem e marcado por incursões ao universo do maravilhoso e da utopia. Tais características são indiscutíveis, entretanto, enquanto arte, este gênero pode se abrir a outras formas de representação e de proposição estética que permitam distintas maneiras de recriação da realidade. Pautando-se neste argumento, objetiva-se, nesse estudo, analisar a obra Jogos Vorazes, de Suzanne Collins, na perspectiva do novo verismo e da distopia. Essas categorias se entrelaçam ao longo da trilogia, formando a base sobre a qual se desenrola a trama, que apresenta uma complexa realidade projetada no futuro, mas que, ao mesmo tempo, traz ressonâncias do passado. A análise aqui pretendida busca observar como a obra trabalha alguns elementos da distopia e como projeta um diálogo, por vezes minucioso, com aspectos da história antiga e com as relações sociais e culturais vigentes.

Referências

BAKHTIN, M. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

Brandão, Junito de Souza. Mitologia Grega. Vol. II. São Paulo: Vozes, 1997.

CAMPBELL, Joseph. The order and the other: power and subjectivity in young adult science fiction and dystopian literature for adolescents. Illinois: Illinois State University, 2010.

CANDIDO, Antonio. Literatura e Sociedade. 8.ed. São Paulo: T.A. Queiroz Editor, 2000.

COLLINS, Suzanne. Jogos Vorazes. Trad. Alexandre D’Elia. Rio de Janeiro: Rocco, 2010.

______. Em chamas. Trad. Alexandre D’Elia. Rio de Janeiro: Rocco, 2011a.

______. A Esperança. Trad. Alexandre D’Elia. Rio de Janeiro: Rocco, 2011b.

COLOMER, Tereza. A formação do leitor literário: narrativa infantil e juvenil atual. São Paulo: Global, 2003.

CORSO Diana; CORSO, Mário. Ficções sobre adolescentes. In.: ______. A psicanálise na terra do nunca: ensaios sobre a fantasia. Porto Alegre: Penso, 2011.

DICIONÁRIO mitológico, histórico e geográfico. Trad. José Bento Said. Lisboa: Officina das filhas de Lino da Silva Gocinho, 1822. Digitalizado pela Biblioteca nacional de Portugal. Disponível em http://bdlb.bn.br/acervo/handle/123456789/6933. Acesso em 20 de fev. 2016

ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano. Trad. Rogério Fernandes. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

FERREIRA, José Ribeiro. Labirinto e Minotauro: mito de ontem de hoje. Coimbra, Portugal: Fluir Perene, 2008.

FOCAULT, Michel. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes, 2012.

GOODREADS. The dystopian timeline to the Hunger Games [Infográfico]. 21 mar. 2012. Disponível em: <http://www.goodreads.com/blog/show/351-the-dystopian-timeline-to-the-hunger-games-infographic> Acesso em: fev. 2016.

HUXLEY, ALDOUS. Admirável mundo novo. Trad. Lino Valandro e Vidal Serrano. 2. ed. Rio de Janeiro: Ed. Globo, 2007.

KOCH, Ingedore G. V. Intertextualidade: diálogos possíveis. São Paulo: Cortez, 2007.

MAINGUENEAU, Dominique. O contexto da obra literária. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

ORWELL, George. 1984. Trad. Wilson Veloso. 11. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1978.

ROSTOVTZEFF, Michael I. História de Roma. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1977.

SANTAELLA, Lúcia. O que é semiótica. São Paulo: Brasiliense, 1983.

T. S. Elliot. Quatro Quartetos. Trad. Maria Amélia Neto. 3. ed. São Paulo: Ática, 1983.

Downloads

Publicado

06-07-2016

Como Citar

ARBOLEYA, V. J. Uma conversa com o passado e uma projeção de futuro: história, verismo e distopia em Jogos Vorazes. Travessias, Cascavel, v. 10, n. 1, p. 420–431, 2016. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/14063. Acesso em: 27 jan. 2022.

Edição

Seção

LITERÁRIA