Estudo diacrônico de mudanças semânticas em preposições na Língua Portuguesa

Autores

  • Albeiro Mejia Trujillo
  • Maria Francisca Ferreira Trujillo

Palavras-chave:

Diacronia, Gramatização, Morfologia, Sintaxe, Semântica, Preposições

Resumo


Os sistemas de comunicação desenvolvidos pelas sociedades humanas vão se tornando cada vez mais complexos dentro de processos de mudanças lentas e graduais. Para conhecer e compreender a estrutura de uma língua, deve-se estudar os estados do idioma objeto de entendimento em diversos momentos de sua história para, posteriormente, chegar-se à análise diacrônica que permite entender as mudanças como processo evolutivo. Muitas línguas se extinguiram e outras estão em fase de desaparecimento, porém, as línguas que apresentam maior estabilidade são aquelas que foram fixadas no registro escrito, alcançando níveis de gramatização que permitiram formalizar as estruturas, juntamente com os sistemas e subsistemas idiomáticos. As preposições, por exemplo, são vocábulos que integram a estrutura da Língua Portuguesa, assim como compõem os sistemas morfossintático, fonético e semântico da língua falada e escrita. As preposições, na Língua Portuguesa, embora não tenham significação em si mesmas, integram os sistemas lexical e vocabular da língua. O estudo diacrônico das preposições com, em, por e per, na Língua Portuguesa, serve como exemplo do funcionamento dos diferentes conectivos dentro de uma língua e de como seu papel estruturante define as categorias gramaticais no interior da própria língua.

Referências

ALMEIDA, Manuel Antônio de. Memórias de um sargento de milícias. 3 ed. São Paulo: FTD, 1996.

ALMEIDA, Napoleão Mendes de. Gramática metódica da Língua Portuguesa, 36 ed. São Paulo: Saraiva, 1989.

BORBA, Francisco S. Introdução aos estudos linguísticos. 4 ed. São Paulo: Editora Nacional, 1975.

____________. Sistemas de preposições em português. [Tese de Livre-docência do Departamento de Linguística e Letras Orientais da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (USP)]. São Paulo: 1971.

BRANDÃO, Cláudio. Sintaxe Clássica Portuguesa. Belo Horizonte, 1963.

CAMINHA, Adolfo. Bom-crioulo. Rio de Janeiro: Olive Editor (s/d).

CUNHA, Celso Ferreira da. Gramática da língua portuguesa. Rio de Janeiro: FENAME, 1972 [1972]

____________. Língua portuguesa e realidade brasileira. 10. ed. Rio de Janeiro: 1994.

CUNHA, Celso e CINTRA, Luís F. Lindley. Nova gramática do português contemporâneo. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

FARACO, Carlos Alberto. Linguística histórica: uma introdução ao estudo das línguas. 2 ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2005.

FÁVERO, L. L. & MOLINA, M. A. G. As concepções linguísticas no Século XIX: a gramática no Brasil. Rio de Janeiro: Lucerna, 2006.

FÁVERO, L. L. As concepções Linguísticas no Século XVIII – A Gramática Portuguesa. Campinas: Editora da Unicamp, 1996.

GAYA, Samuel Gili. Curso superior de sintaxis española. 11 ed. Departamento Editorial. Barcelona: 1976.

GRANDGENT, C.H. Introducción al latín vulgar. 2 ed. Madrid: Selecciones Gráficas: 1953.

GUIMARÃES, Bernardo. O seminarista. São Paulo: FTD, 1994.

MELO, Gladstone Chaves de. Iniciação à Filologia e à linguística portuguesa. 5. ed. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1975.

____________. A língua do Brasil. Rio de Janeiro: Livraria Agir Editora, 1946 [1945]

NASCENTES, Antenor. O idioma nacional. 3. ed. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1960.

NUNES, José Joaquim. Crestomatia arcaica. 5 ed. Lisboa: Livraria Clássica Editora, 1959.

RIBEIRO, Ernesto Carneiro. Serões grammaticaes ou Nova grammatica portugueza. 5 ed. Salvador – Bahia: Progresso Editora, 1950.

SAID ALI, Manoel. Gramática secundária e gramática histórica da língua portuguesa. 3 ed. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1964.

SAID ALI, Manoel. Grammatica elementar da língua portugueza. 4 ed. São Paulo: Companhia Melhoramentos de São Paulo, 1963.

SILVA, Maria Cecília Pérez de Souza e KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. Linguística aplicada ao português: morfologia. 12 ed. São Paulo: Cortez, 2001.

TEYSSIER, Paul. História da língua portuguesa. 3 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

ULLMANN, Stephen. Semântica: uma introdução à ciência do significado. 4 ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1977.

ULLMANN, Stephen. Meios de expressão e alterações semânticas. 2. ed. Rio de Janeiro: Organização Simões, 1951.

VASCONCELLOS, José Leite de. Estudos de Filologia Portuguesa. Rio de Janeiro: Livros de Portugal, 1961.

VASCONCELLOS, José Leite de. Textos arcaicos. 4 ed. Lisboa: Livraria Clássica Editora, 1959 [1919].

VENDRYES, J. Le langage. Introduction linguistique à l’histoire. Paris: Éditions Albin Michel, 1950.

Downloads

Publicado

04-10-2016

Como Citar

TRUJILLO, A. M.; TRUJILLO, M. F. F. Estudo diacrônico de mudanças semânticas em preposições na Língua Portuguesa. Travessias, Cascavel, v. 10, n. 3, p. 159–172, 2016. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/14692. Acesso em: 19 jan. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: REFLEXÃO LINGUÍSTICA A REBOQUE DA FALTA DE REFLEXÃO SOBRE A APLICAÇÃO TEÓRICA.