“Afeminada”: a construção da identidade de sujeitos

Autores

  • Atair José Bernardino de Jesus Unioeste
  • Andréa Cristina Martelli Unioeste

Palavras-chave:

Gênero, Afeminados, Teoria Queer, Identidade e identificação.

Resumo


A sociedade, composta por sujeitos completamente diversos, constrói-se sobre o paradigma de ser permeada pelo lastro  de um padrão binário heteronormativo. Este trabalho procura compreender a construção da identidade de gênero nessa sociedade binária, utilizando relatos de sujeitos “considerados” afeminados. Para tal, analisaremos trechos dos relatos contidos no vídeo Vlog da pabllo #3 // Afeminada! e, também dialogaremos com os teóricos que tem as suas pesquisas voltadas à temática gênero e da Teoria Queer, como Butler (2003), Louro (1997; 2000; 2001;2008) e Miskolci (2016) e no que tange ao estudo de identidade e identificação, Maffesoli (1996). No final do nosso percurso, constatamos que os sujeitos afeminados sofrem preconceitos e discriminação, assim como todos os que são diferentes do padrão estabelecido socialmente, todavia, esses tipos de violência dificilmente cessam justamente por não se poder esconder, ser afeminado é uma postura, um jeito, uma roupa, tudo exposto ao julgo social, e é na infância e na adolescência, na família e na escola que essas situações de violência mais ocorrem.

Biografia do Autor

Atair José Bernardino de Jesus, Unioeste

Graduado em Pedagogia na Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE, campus de Cascavel-PR.

Andréa Cristina Martelli, Unioeste

Doutora em Educação pela UNICAMP, professora orientadora do curso de pedagogia da Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE, campus de Cascavel-PR.

Referências

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: Feminismo e subversão da identidade, Tradução: Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2003.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação. Uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Pro-Posições, v. 19, n. 2, maio/ago. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pp/v19n2/a03v19n2.pdf. Acessado

em: o3 de setembro de 2012.

LOURO, Guacira Lopes. Teoria Queer - Uma política pós-identitária para a educação. In: Revista Estudos Feministas, Florianópolis, p.541-553, 2001.

LOURO, Guacira Lopes. Pedagogias da Sexualidade. In, LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: Pedagogias da sexualidade. Belo horizinte: Autentica. 2000.

JESUS, Atair Bernardino; MARTELLI, Andréa Cristina. Posicionamentos sobre gênero dentro da Educação Básica. In: Anais do IV Simpósio Internacional em Educação Sexual: feminismos, identidades de gênero e políticas públicas. Maringá. 2015.

MAFFESOLI, Michel. No fundo das aparências. Petrópolis. Vozes. 1996.

MISKOLCI, Richard. Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças. 2 edição. Belo Horizonte. Autentica. 2016.

Downloads

Publicado

11-05-2017

Como Citar

DE JESUS, A. J. B.; MARTELLI, A. C. “Afeminada”: a construção da identidade de sujeitos. Travessias, Cascavel, v. 11, n. 1, p. 24–38, 2017. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/16674. Acesso em: 17 jan. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: SEXUALIDADE, GÊNERO E EDUCAÇÃO NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA