O corpo cinematográfico como prática discursiva no processo de normalização das relações homoafetivas

Autores

  • Marcieli Cristina Coelho UEM
  • Ismara Eliane Vidal de Souza Tasso

Palavras-chave:

(Homo)sexualidade. norma/normalização. cinema nacional.

Resumo


Este artigo teórico-metodológico parte de uma perspectiva arqueogenealógica, subsidiadas pela Análise do Discurso de linha francesa e seus desdobramentos no Brasil, e tem como objetivo geral compreender o modo como o discurso cinematográfico nacional, mais precisamente o filme Tatuagem (2013), dirigido por Hilton Lacerda, por meio de um simulacro do cotidiano das relações, desconstrói a normalidade heteronormativa cristalizada na nossa sociedade brasileira. Dessa forma, questiona a conduta ética-moral vigente e promove reflexões sobre o medo diante de mudança em relações familiares. Dadas as condições de fazer circular saberes e poderes, o cinema funciona como prática discursiva que permite compreender o mecanismo sociopolítico contemporâneo e, em cujas práticas sociais, os sujeitos são governados por jogos de poderes. Nesse entremeio, o cinema nacional, com o longa Tatuagem, faz viver em suas práticas e técnicas uma tentativa de normalização dessas relações outras, estabelecendo fios condutores de uma união que vai além do sexo e problematiza questões que envolvem amor, erotismo e família.

 

Biografia do Autor

Ismara Eliane Vidal de Souza Tasso

Doutora em Linguística e Língua Portuguesa pela Faculdade de Ciências e Letras - Campus de Araraquara (UNESP)

Referências

AUGUSTO, Heitor. Tatuagem. Revista Interlúdio, ano II, 2013. Disponível em: http://www.revistainterludio.com.br/?p=6357. Acessado em: 08/10/2014.

AUMONT, Jacques. A imagem. Tradução Estela dos Santos Abreu e Cláudio C. Santoro. Campinas: Papirus, 1993 (Coleção Ofício de Arte e Forma).

BATAILLE, Georges. O erotismo. Tradução de Cláudia Fares ‐ São Paulo: Arx, 2004.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In: _____. Magia e Técnica, Arte e Política. São Paulo: Brasiliense, 1987. (Obras Escolhidas v.1).

BURKE, P.. Testemunha ocular: história e imagem. Trad. Vera Maria dos Santos. Bauru, SP: EDUSC, 2004.

DUARTE, André. Biopolítica e resistência - O legado de Michel Foucault. In: RAGO, Margareth (org.). Figuras de Foucault. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

DUBOIS, Phillippe. Máquinas de imagens: uma questão de linha geral. In: _____. Cinema, vídeo, Godard. Tradução Mateus Araújo Silva. São Paulo: Cosac Nalfy, 2004.FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade: A vontade de Saber. ed.17 Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 1989. Vol 1.

_____, Michel. Microfísica do Poder In: Poder-Corpo. Org. Roberto Machado. Tradução de José Thomaz Brum Duarte e DéborahDanowisk. 17 ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2002.

_____, Michel. A arqueologia do saber. Tradução Luiz Felipe Baeta Neves. 7.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

_____, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Tradução Laura Fraga de Almeida Sampaio. 22.ed. São Paulo: Edições Loyola, 2012 (Coleção Leituras Filosóficas).

_____, Michel. Ditos e escritos, volume IX: Genealogia da ética, subjetividade e sexualidade: Organização, seleção de textos e revisão técnica Manoel Barros da Motta; Tradução Abner Chiquieri. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014.

GONÇALVES, Eliane. Você é fóbico? Uma conversa sobre democracia sexual. Jornal da Redesaúde, n. 24, p. 13-15, dez. 2001.

KEHL, M. R. O espetáculo como meio de subjetivação. In: BUCCI, Eugênio (org.). Videologias: ensaios sobre televisão. São Paulo: Boitempo, 2004.

LEKITSCH, Stevan. Cine Arco-íris: 100 anos de cinema LGBT nas telas brasileiras. São Paulo: GLS, 2011.

MANGUEL, A. Lendo imagens: uma história de amor e ódio. Trad. Rubens Figueiredo, Rosaura Eichemberg, Claudia Strauch. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

MISKOLCI, Richard. Pânicos morais e controle social: reflexões sobre o casamento gay. Cadernos Pagu, n.28, janeiro-junho, 2007, p. 101 – 128.

NOBREGA, T. P. da. Merleau-Ponty: o filósofo, o corpo e o mundo de toda a gente! . Disponível em: http://www.cbce.org.br/cd/resumos/129.pdf. Acesso em: 05/09/2014.

NOGUEIRA, Gilmaro. O heterossexual passivo e as fraturas das identidades essencializadas nos sites de relacionamento. In: Estudos e política do CUS - Grupo de Pesquisa Cultura e Sexualidade/Leandro Colling e Djalma Thürler (organizadores). - Salvador: Edufba, 2013

TASSO, I. E. V. S. ; ROSTEY, J. C. M. Governamentalidade, identidade e representação em Cidade de Deus: articulações entre arte e política. In: POSSENTI, S.; PASSETI, M. C. (orgs.) Estudos do texto e do discurso: política e mídia. Maringá: Eduem, 2010.

ROUDINESCO, Elisabeth. A família em desordem. Tradução: André Telles. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

SÁEZ, Javier; CARRASCOSA, Sejo. Por el culo. Políticas anales. Madrid: Editorial Egales, 2011.

Downloads

Publicado

11-05-2017

Como Citar

COELHO, M. C.; VIDAL DE SOUZA TASSO, I. E. O corpo cinematográfico como prática discursiva no processo de normalização das relações homoafetivas. Travessias, Cascavel, v. 11, n. 1, p. 187–210, 2017. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/16679. Acesso em: 21 maio. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: SEXUALIDADE, GÊNERO E EDUCAÇÃO NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA