A intermidialidade inerente à janela indiscreta do cinema

Autores

  • Gabriel Vinícius Dangió Universidade Estadual de Campinas

Palavras-chave:

Janela Indiscreta, intermidialidade, remediação.

Resumo


São comuns temas voyeurísticos utilizados como recursos estilísticos na filmografia de Alfred Hitchcock. Seu filme Janela Indiscreta de 1954 é o mais proeminente exemplo dessa temática, uma vez que seu protagonista, imobilizado devido a um acidente, faz de suas observações diárias de seus vizinhos a trama principal da narrativa. Esse argumento desperta a ideia de, por vezes, o personagem estar assistindo a um filme dentro de outro, em uma produção metalinguística do renomado diretor. O presente ensaio tem como objetivo, portanto, comparar as intermidialidades que compuseram a história da arte cinematográfica com as ações desenvolvidas no decorrer do filme em análise no que diz respeito à relação entre o espectador e aquilo que é assistido. Na comparação, a história da composição intermidiática do cinema será resgatada por meio de analogias entre a narrativa de Janela Indiscreta e elementos constituintes dessa história, a saber: a relação da imagem e do som na transição do cinema mudo para o cinema falado, como nomeia o filósofo Gilles Deleuze (2005); a disjunção entre imagem e som do cinema moderno (DELEUZE, op. cit.); os diferentes artefatos (FLUSSER, 2007) que possibilitaram o surgimento do filme em 3D; e as novas remediações (BOLTER; GRUSIN, 2000) da mídia nos formatos dos jogos chamados de filmes interativos e nos próprios longas-metragens considerados interativos.

Referências

BOLTER, J. D., GRUSIN, R. Remediation: understanding new media. London: Cambridge, MIT Press, 2000.

CHRISTOFOLI, E. P. O renascimento do 3D. Contemporânea, ed. 17, vol. 9, n. 1, 2011. 138-145.

DELEUZE, G. A imagem-tempo. São Paulo: Brasiliense, 2005.

DUDENHOEFFER, L. Hitch-cockeyed: Ocular dys/function in Alfred Hitchcock’s Rear Window. Cinephile, vol. 5, n. 2, 2009. 46-53.

FLUSSER, V. O mundo codificado: por uma filosofia do design e da comunicação. Organização de Rafael Cardoso. Tradução de Raquel Abi-Sámara. São Paulo: Cosac & Naify, 2007.

MODLESKI, T. The master’s dollhouse: Rear Window. The women who knew too much: Hitchcock and feminist theory, New York, Routledge, 1989. 74-85.

MULVEY, L. Visual pleasure and narrative cinema. The sexual subject, New York, Routledge, 1992. 22-34.

SAMUELS, R. Rear Window ethics: Laura Mulvey and the inverted gaze. Hitchcock’s bi-textuality: Lacan, feminisms, and Queer Theory, Albany, State U of New York P, 1998. 109-121.

Downloads

Publicado

07-12-2017

Como Citar

DANGIÓ, G. V. A intermidialidade inerente à janela indiscreta do cinema. Travessias, Cascavel, v. 11, n. 3, p. 80–89, 2017. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/17151. Acesso em: 25 maio. 2022.

Edição

Seção

ARTE E COMUNICAÇÃO