O Cacique Ñheçu Às Vistas Da Literatura E Da História

Autores

Palavras-chave:

Jesuítas, guaranis, religião, política.

Resumo


Este artigo problematiza as falsificações e/ou estereótipos negativos sobre povos indígenas e as implicações políticas acerca dos escritos sobre o cacique guarani Ñheçu no século XVII. Pretendemos a partir desta, a construção de um texto dialético com base na comparação da obra selecionada para estudo. Almejamos, a verificação cuidadosa, crítica e uma possível ressignificação dos fatos que rodeiam o indígena em questão. Buscamos olhar por outro ângulo como é representada a figura do cacique Ñheçu na literatura e na história brasileira na obra: Os Três Mártires Rio – Grandenses, do jesuíta Luis Gonzaga Jaeger. Também questionamos as ambivalência e contradições constantes na obra nominada acima, contribuindo então para futuras pesquisas, tendo em vista a escassez de informação acerca do cacique Ñheçu. Os elementos teóricos para embasar a presente discussão, foram: conceitos da literatura comparada, territorialização e decolonialismo aplicados às obras religiosas e geo-políticas das missões jesuíticas.

Biografia do Autor

Genaro Luíz Hamermuller, Unioeste Campus Cascavel

Professor/historiador, indigenista, mestrando em Letras Literatura 2016/2018

José Kuiava, Unioeste Campus Cascavel

Docente da Pós Graduação Strictu Sensu Letras / Literatura - Unioeste - Cascavel

Orientador

Referências

ATHANÁSIO, Enéas. Mundo Índio. Balneário Camboriú: Ed. Minarete, 2003.

BATISTA, Jean. O Eterno. – São Miguel das Missões: Museu das Missões, 2009.

BAKHTIN, M. M. (Mikhail Mikhailovitch), 1895-1975. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem / Mikhail Bakhtin (V.N. Volochínov); prefácio de Roman Jacobson; apresentação de Marina Yaguello; tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira, com a colaboração de Lúcia Teixeira Wisnik e Carlos Henrique D. Chagas Cruz. – 14. Ed. – São Paulo: Hucitec, 2010.

BALESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial - Revista brasileira de Ciência Política no 11. Brasília, maio – agosto de 2013, pp. 89–117.

CANDIDO, Antônio. Literatura e Sociedade. 9ª Ed. Rio de Janeiro: Ouro Sobre o Azul, 1999.

COMPAGNON. Antoine. O demônio da teoria – Literatura e senso comum. Trad. Cleonice Paes Barreto Mourão e Consuelo Fortes Santiago. 2ª Ed. 1ª reimpressão. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2000.

COUTINHO, Eduardo F. Literatura comparada: textos fundadores / organização de Eduardo F. Coutinho e Tania Franco Carvalhal. 2. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 2011.

ECO, Umberto. Os limites da interpretação / Umberto Eco; [tradução Pérola de Carvalho]. – São Paulo: Perspectiva, 2004.

FANON, Frantz. Os Condenados da Terra. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

JAEGER, Luís Gonzaga S. D. Os três mártires rio-grandenses / Jesuítas no Sul do Brasil. Volume I. Porto Alegre: Imprimi Potest, 1951.

LUGON, Clóvis. A República Guarani. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

NETO, Miranda. A utopia possível: Missões Jesuíticas em Guairá, Itatim e Tape, 1609-1767, e seu suporte econômico-ecológico. Brasília: FUNAG, 2012.

PINSKI, Jaime. História da América através de textos / seleção, organização e introdução Jaime Pinski... [et al.] 3. ed. São Paulo: Contexto, 1991.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

SEFFNER, Fernando. Da Reforma à Contra-Reforma: o cristianismo em crise. Coordenação Maria Helena Simões Paes, Marly Rodrigues. São Paulo: Atual, 1993.

Downloads

Publicado

07-12-2017

Como Citar

HAMERMULLER, G. L.; KUIAVA, J. O Cacique Ñheçu Às Vistas Da Literatura E Da História. Travessias, Cascavel, v. 11, n. 3, p. 261–283, 2017. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/17160. Acesso em: 20 maio. 2022.

Edição

Seção

LITERÁRIA