Construção e desconstrução de estereótipos em Filhas do Vento

Autores

Palavras-chave:

Estereótipo, identidade, racismo.

Resumo


No contexto social pós-moderno, conceituar identidade é um desafio, pois exige uma análise complexa e simbólica que resulta das mais diversas experiências históricas. A identidade é fragmentada, mas marcada por aproximações razoáveis, ou seja, identificações intersubjetivas criadas coletivamente a partir de um senso de pertencimento, conflitos e negociações. São inúmeros significados que excluem e incluem, categorizam e criam atributos para um determinado grupo. A partir desta perspectiva, o objetivo deste trabalho é analisar uma sequência do filme Filhas do Vento, dirigido por Joel Zito Araújo e lançado em 2005, identificando as estratégias narrativas utilizadas pelo diretor na desconstrução de estereótipos a partir da imputação de estereótipos irracionais que marcam e naturalizam as discriminações raciais, corroboram para sua invisibilidade social perversa e arbitrária, e estimulam a violência aos direitos sociais e étnicos da população afro-brasileira. Para isso, a análise fílmica será delineadapelos métodos apontados por Francis Vanoye, Anne Goliot-Lété, Laurent Jullier e Michel Marie.A fundamentação teórica será norteada pelas discussões teórico-conceituais de Stuart Hall, Pierre Bourdieu, Florestan Fernandes e Joel Zito Araújo. O presente trabalho resultou em uma análise que desconstruiu estereótipos naturalizados culturalmente na sociedade, a partir da identificação e reconhecimento dos mesmos, afirmados pelo diretor na sequência fílmica e perpetuados em uma sociedade que persiste na ideia falaciosa de democracia racial. Além de reforçar o caráter de ação afirmativa do filme, que coloca o negro no protagonismo na constituição do elenco todo negro como na discussão de questões referentes à negritude.

Biografia do Autor

Terezinha Richartz, Universidade Vale do Rio Verde (UNINCOR).

Doutorado em Ciências Sociais (PUC/SP); Professora do Programa de Mestrado em Letras – Linguagem, Cultura e Discurso da Universidade Vale do Rio Verde (UNINCOR). http://orcid.org/0000-0002-8872-1210 

Elaine de Souza Pinto Rodrigues, Universidade Vale do Rio Verde (UNINCOR).

Aluna do Programa de Mestrado em Letras – Linguagem, Cultura e Discurso da Universidade Vale do Rio Verde (UNINCOR).

Referências

ARAÚJO, Joel Zito. A negação do Brasil: o negro na telenovela brasileira. São Paulo: Senac, 2000.

ARAÚJO, Joel Zito. A força de um desejo: a persistência da branquitude como padrão estético audiovisual. Revista USP, São Paulo, n. 69, p. 72-79, mar./maio 2006. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/13514>. Acesso em: 30 set. 2016.

ARAÚJO, Joel Zito (Org.). O negro na TV pública. Brasília: Fundação Cultural Palmares, 2010.

BOURDIEU, Pierre. Poder Simbólico.Tradução de Fernandes Tomaz. 11. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

BRASIL. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Gênero e Diversidade na Escola: formação de professoras/es em gênero, sexualidade, orientação sexual e relações étnico-raciais. Rio de Janeiro: CEPESC; Brasília : SPM, 2009. Disponível em: <http://estatico.cnpq.br/portal/premios/2014/ig/pdf/genero_diversidade_escola_2009.pdf>. Acesso em: 13 jun. 2017.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1960.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. 3. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1982.

FILHAS do vento. Direção: Joel Zito Araújo. Produção: Márcio Curi. Rio de Janeiro: Riofilme, 2005. 1 DVD (85 min).

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tomas Tadeu da Silva e Guaracira Lopes Louro. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

JULLIER, Lauret; MARIE, Michel. Lendo as imagens do cinema. Tradução Magda Lopes. 7. ed. São Paulo: SENAC, 2012.

MARTIN, Marcel. A linguagem cinematográfica. Tradução Lauro António e Maria Eduarda Colares. Lisboa: Dinalivro, 2005.

SODRÉ, Muniz. Cor e civilização. In: ARAÚJO, Joel Zito (Org.). O negro na TV pública. Brasília: Fundação Cultural Palmares, 2010, p. 75- 80.

VANOYE, Francis; GOLIOT-LÉTÉ, Anne. Ensaio sobre a análise fílmica. Tradução Marina Appenzeller. 7. ed. São Paulo: Papirus, 2012.

Downloads

Publicado

26-09-2017

Como Citar

RICHARTZ, T.; RODRIGUES, E. de S. P. Construção e desconstrução de estereótipos em Filhas do Vento. Travessias, Cascavel, v. 11, n. 2, p. 188–202, 2017. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/17406. Acesso em: 23 maio. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: CINEMA, EDUCAÇÃO, HISTÓRIA E OUTRAS TRAVESSIAS