Sonhos Tropicais: filme do espaço, livro do tempo

Autores

  • Paulo Custódio de Oliveira UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados
  • Juliane Santana Lópes UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados

Palavras-chave:

Relações interartes, Cinema, Literatura.

Resumo


A análise deste artigo procura compreender o livro Sonhos Tropicais (1996) do escritor e médico Moacyr Scliar e a adaptação fílmica homônima do cineasta brasileiro André Sturm (2002) pela perspectiva comparativa. Essas duas mídias, o livro e o cinema, possuem especificidades que as singularizam quando olhadas pela perspectiva generalizante do universo das Artes. Mas, são possíveis muitos pontos de convergência enriquecedores da visão crítica. Os instrumentos de cada uma proporcionam formas condizentes com o veículo que as suportam, ou seja, a narrativa romanesca alicerçada na prosa e a obra fílmica nas imagens, nos sons, nos cenários realistas e nas performances. Apoiados pelas taxionomias cinematográficas de Gilles Deluze em Imagem-tempo (2005) e pelas teorias da adaptação apresentadas por Linda Hutcheon (2013), exploraremos neste trabalho o potencial criativo de cada obra: o espaço cenográfico requintado do filme e a disparidade temporal do livro, demonstrando como as novas condições midiáticas de nosso tempo retroalimentam a criatividade dos artistas.

Biografia do Autor

Paulo Custódio de Oliveira, UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados

Pós-doutor pela UFF - Universidade Federal Fluminense (2017), doutor em Letras (Teoria da Literatura) pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Campus de São José do Rio Preto-SP. Professor Adjunto III da UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados. Professor de Literatura brasileira e Teoria da Literatura da FACALE - Faculdade de Comunicação, Artes e Letras. Professor do Programa de Pós-Graduação em Letras da FACALE (Disciplina: Literatura e outras artes). Líder do grupo de pesquisa Estudos em Arte e Literatura Contemporânea. Coordenador do Grupo de Estudos InterArtes e do LIAMI - Laboratório InterArtes de Mídia e Imagem. Pesquisa a relação da Literatura com outros sistemas artísticos e midiáticos.

Juliane Santana Lópes, UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados

Pesquisadora independente da FACALE/UFGD. Membro do Grupo de Estudos InterArtes/UFGD.

Referências

BERNARDET, Jean-Claude O que é cinema. 14. reimp. São Paulo: Brasiliense, 2004, 117p (coleção primeiros passos).

CESAR, Costança Terezinha Marcondez. “Temporalidade e Literatura”. In:_____Teoria literária e hermenêutica riccoeuriana: um diálogo possível. Paula, A.C.de; Sperber, S. F.(org.). Dourados, MS: UFGD, 2011. Pp. 165-175.

DELEUZE, Gilles. A imagem movimento. Traduzido por Stella Senra. São Paulo: Brasiliense, 1985.

______. A imagem tempo. Traduzido por Eloisa de Araújo Ribeiro, São Paulo: Brasiliense 2005.

HUTCHEON, Linda. Uma teoria da adaptação. Traduzido por André Cechinel. 2. ed. – Florianópolis: Ed. da UFSC, 2013

ROSENFELD, Anatol. “Reflexões sobre o romance moderno”. In: _____. Texto/Contexto. 3.ed. São Paulo: Perspectiva, 1976. p.75-97.

ROSENSTONE, Robert. A. “A história nos filmes”. In.: _______. A história nos filmes. Os filmes na história. Traduzido por Marcello Lino. São Paulo: Paz e Terra, 2010. pp. 13 – 25

SCLIAR, Moacyr. Sonhos tropicais. São Paulo: Companhia das Letras, 1992, 212p.

XAVIER, Ismail. Cinema brasileiro moderno. São Paulo: Paz e Terra, 2001. (coleção leitura), 156p.

SONHOS TROPICAIS. Direção de André Sturm. Fotografia: Jacob Solitrenick. 120 min. Pandora Filmes. 2002.

Downloads

Publicado

26-09-2017

Como Citar

OLIVEIRA, P. C. de; LÓPES, J. S. Sonhos Tropicais: filme do espaço, livro do tempo. Travessias, Cascavel, v. 11, n. 2, p. 287–299, 2017. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/17444. Acesso em: 19 maio. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: CINEMA, EDUCAÇÃO, HISTÓRIA E OUTRAS TRAVESSIAS